Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Terço dos Homens realiza momentos de reflexão sobre a importância de rezar e agir

“Não basta rezar, é preciso agir” foi o tema do 6.º Retiro do Terço dos Homens em Manaus, contando com a participação de 70 homens de Manaus, Manacapuru, Tefé e Careiro da Várzea. O evento aconteceu de 26 a 28 de julho, na Casa de Retiro Laura Vicuña. No segundo dia contou com a presença do bispo auxiliar da Arquidiocese de Manaus, Dom Tadeu Canavarros que palestrou sobre a temática central e celebrou a missa de encerramento.

Dom Tadeu, durante a  palestra, afirmou que Deus conhece os corações, a intimidade de cada um, mas é preciso se colocar em oração e se abrir para a escuta, porém, não se pode ficar apenas rezando, mas também agir. “O retiro é um momento importante de parada, onde se faz o exercício de olhar um pouco mais para dentro de si, para a ação que desenvolvemos enquanto igreja e aqui, de maneira específica, o Terço dos Homens. Todos nós somos homens de oração de espiritualidade, mas vale a pena a gente se perguntar sobre isso, se estamos rezando com qualidade, como está a nossa relação com Deus e como está nosso exercício de reconciliação com as pessoas”, destacou inicialmente Dom Tadeu, afirmando sempre que a oração é essencial para sustentar a vocação.

O bispo também destacou que é necessário agir, pois todos são convidados a servir, a ajudar o próximo, a evangelizar, mostrar o que Deus fez em sua vida e ajudar outros a conhecer Deus e experimentar o mesmo que nós, agir, saindo da zona de conforto, transformando a oração em ação. Pontuou ainda que quando se elimina a gratuidade do encontro e da acolhida, a vida pode perder seu sabor e seu sentido. Ao mostrar a passagem de Marta e Maria, explicou que tudo tem seu tempo e cada um é chamado a fazer algo, cada um tem seus afazeres, porém é necessário reservar momentos para contemplação. Também alertou para não entrar na dinâmica da comparação, não se comparar ao outro, mas valorizar o que é bom em si e buscar sempre o melhor, despertar para um olhar único.

Durante o retiro houve missas, oração do terço e palestras sobre a espiritualidade da Mãe Rainha, na qual se enfatizou o histórico e o contexto da criação do Terço dos Homens Mãe Rainha, que pertence ao Movimento Apostólico de Schoenstatt, e está a serviço da Igreja.

Segundo o coordenador, Manoel Miranda, o terço dos homens é o movimento que mais cresce na igreja e é necessário mostrar aos homens que, além de rezar, é preciso agir, estar a serviço do outro, mostrar ao outro o que a oração do terço pode fazer para transformar vidas. “Estima-se que no regional Norte/Nordeste existem 3 milhões de homens envolvidos, mas quando o assunto é servir o homem ainda está inerte e precisa ser diferente, necessita passar ao outro o que ele aprendeu, tentar transformar o outro conforme ele foi transformado no movimento, ir atrás do outro, ser parte de uma igreja a serviço, como nos pede o Papa”, explicou Manoel.

Neste retiro, esteve presente o padre Argemiro Ferracioli, o assessor regional Norte/Nordeste do Terço dos Homens, que atualmente está em Olinda – Recife, auxiliando no Santuário da Mãe Rainha, lugar onde surgiu o Terço dos Homens. Ele veio pela primeira vez à Manaus para conhecer como está o Terço dos Homens e constatou ser um povo muito alegre e de grande fé. “Eu nunca encontrei um lugar assim tão bom para trabalhar, com grupos do Terço dos Homens que funciona bem. Eu vou sempre nos regionais e reunimos com os coordenadores diocesanos e paróquias para trabalhar com as lideranças. A gente procura ouvir, identificar as dificuldades e limitações, o que precisam acertar e orientar espiritualmente, trabalhar a espiritualidade Mãe Rainha, para conservar o carisma e a missão do Terço dos Homens, e projetar o futuro”, destacou Pe. Argemiro.

Ao terminar o retiro, no domingo, a coordenação do Terço dos Homens se dirigiu ao município de Manacapuru, para uma celebração e orientações e alinhamento sobre diretrizes do Terço dos Homens, tendo em vista o significativo crescimento do terço no município.



Por: Ana Paula Gioia Lourenço

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *