Sinodalidade e Evangelização: Pastoral do Dízimo Arquidiocesana realiza formação em Manaus

Com o objetivo de animar e atualizar o serviço da Pastoral do Dízimo na Arquidiocese de Manaus, na manhã de domingo (2/6), cerca de 600 agentes participaram do Encontrão da Pastoral do Dízimo que aconteceu no auditório do Colégio Dom Bosco, no Centro de Manaus.

Auditório do Colégio Dom Bosco, Centro de Manaus

No início do encontro, padre Charles Cunha, ecônomo da Arquidiocese de Manaus, agradeceu o serviço de todos que fazem parte da Pastoral do Dízimo.

“É muito bonito ver esse auditório cheio. Aqui temos aqueles que nos ajudam, apoiam a igreja de Manaus a fazer acontecer a providência divina entre nós. Eu sempre olho para o dízimo como a expressão da providência divina. A missão da igreja não é só feita de gente, mas da partilha do seu tempo, dos seus dons. A partilha também acontece na medida que cada um coloca os seus ‘5 pães e 2 dois peixes’, na medida que cada um pega aquilo que recebe, que tira dos seus salários, dos seus proventos para ajudar a missão da igreja”, explicou padre Charles Cunha.

Padre Charles Cunha – Ecônomo da Arquidiocese de Manaus

Padre Cleiton Silva, mestre em Bioética e doutor em Teologia Moral, que pertence a Diocese de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, foi o formador do encontro com o tema ‘Sinodalidade: Igreja Humana e Irmã na Partilha’. Para ele, o dízimo tem a ver com a experiência de fé com Deus.

“Quando a gente fala de conversão, a gente fala de mudança de mentalidade. A gente prega o evangelho e a gente fala do dízimo como uma experiência na vida de fé e do nosso relacionamento com Deus. A gente não vai se comportar como se fôssemos ‘mercenários’ querendo apenas a recompensa imediata. A gente vai procurar ser aquilo que a gente deve ser como filho de Deus, pois com Ele a gente tem um relacionamento de amor”, explicou padre Cleiton Silva.

Padre Cleiton Silva, Mestre em Bioética e doutor em Teologia Moral. 

O dízimo é compromisso de cada cristão. É por meio dessa contribuição voluntária, regular, periódica e proporcional aos rendimentos recebidos que se mantém todas as atividades das igrejas e as suas ações de evangelização. A agente da Pastoral do Dízimo, Cristina da Costa, que pertence à Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, Setor Parque Dez, já participa de encontros como esse há alguns anos. De acordo com ela, cada ano tem uma atualização e um novo aprendizado para o serviço na igreja.

“Aprendi hoje com a formação do padre Cleiton que a gente deve primeiro viver o Evangelho para depois a gente convidar novas pessoas para serem dizimistas, sempre com muito entusiasmo para nossa comunidade”, explicou Cristina da Costa, agente da Pastoral do Dízimo.

Cristina da Costa, agente da Pastoral do Dízimo

Dízimo é agradecimento e partilha, já que tudo o que temos e recebemos vem de Deus e pertence a Deus.  O Apóstolo Paulo assim escreve: ‘Dê cada um conforme o impulso de seu coração, sem tristeza nem constrangimento. Deus ama a quem dá com alegria (2 Cor 9,7). Para Celi Bernardes Macedo, que é coordenadora arquidiocesana desta pastoral, o Dízimo é uma contribuição espontânea que brota do coração.

“Como eu recebo tudo de Deus, eu preciso, como gesto concreto, passar pelo Dízimo. Isso é transformado em valor, mas o que vale é a intenção do teu coração. Então seja um dizimista, participe da vida das paróquias e comunidades. O rosto da sua comunidade é você. Venha construir uma nova igreja, ser missionário e proclamar o Evangelho. Pode parecer pouco, mas para Deus é muito”, concluiu Celi Bernardes Macedo.

Celi Bernardes Macedo, coordenadora arquidiocesana da Pastoral do Dízimo

Fotos: Flávia Horta e Ana Paula G. Lourenço

Gostou? Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram

Comentários