Reunido em assembleia no chão da Amazônia, laicato brasileiro conhece o testemunho da caminhada de uma igreja sinodal

Com o tema “Cristãos leigos e leigas, testemunhas do Reino”, o Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB) realizou em Manaus, de 30 de maio a 2 de junho, a sua 42ª Assembleia Geral Ordinária (42ª AGO). Cerca de 200 pessoas participaram, representando o laicato de todo o Brasil, vindos de todos os regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), representando 87 dioceses e 15 movimentos eclesiais nacionais. Ao longo da Assembleia, foram aprofundados diversos temas relacionados à missão laical como o testemunho dos cristãos leigos e leigas, o compromisso com uma Igreja sinodal, o cuidado com a integridade da criação e a construção de uma sociedade de justiça e paz.

A Assembleia iniciou com uma mística na qual indígenas e outras lideranças do Regional Norte 1 – Amazonas e Roraima fizeram memória de cristãos leigos e religiosos que profeticamente doaram suas vidas pela vida da Amazônia e de seus povos. Com entusiasmo, cânticos e orações, foi realizada a dança das bandeiras dos regionais e organizações afiliadas, momento cheio de alegria que aproximou ainda mais os participantes do evento.

Ao declarar aberta a assembleia, Sônia Gomes de Oliveira, presidente do CNLB, afirmou que p evento foi realizado para avaliar as ações, refletir, partilhar experiências e aprovar o estatuto do conselho.

“Uma assembleia é sempre um momento oportuno de avaliação e reflexão da caminhada, bem como de celebração dos avanços e desafios que experimentamos em nossa missão de organizar e representar o laicato no Brasil. Esta Assembleia, porém, se reveste de outros elementos que a tornam histórica: será aprovado o novo Estatuto e acontece na Amazônia”, destacou Sônia.

O protagonismo feminino e do laicato são marcas da Igreja da Amazônia. Dom Zenildo Lima, bispo auxiliar da Arquidiocese de Manaus e referencial do laicato do Regional Norte 1, em sua fala inicial, lembrou como a Igreja da Amazônia tem rosto do Povo de Deus, com forte liderança laical e feminina.

A 42ª assembleia do CNLB está inserida no itinerário do jubileu de 50 anos do CNLB, e, a cada ano, um tema será referência para todas as atividades do organismo: profecia (2023), testemunho (2024) e memória (2025). A Igreja da Amazônia, inserida no caminho da sinodalidade, aponta caminhos para a missão dos cristãos leigos e leigas e de toda a Igreja e os participantes deste evento puderam conhecer esse testemunho.

O primeiro dia foi marcado pela abertura e pela participação de todos na Solenidade de Corpus Christi, em comunhão com a igreja local que esteve reunida no Centro de Manaus para celebrar o Corpo e Sangue de Cristo.

Abertura das tendas

A mística das tendas

O segundo dia teve como destaque a mística das tendas. A tenda, na metodologia desta assembleia, é símbolo de comunhão e participação, um lugar de encontro onde todos partilham suas experiências, se aproximam e compreendem sua identidade e missão a partir da comunhão na fé. A tenda, na história do Povo de Deus, é lugar onde cada pessoa busca abrigo e iluminação espiritual para seguir caminhando à luz da fé.

A presidente do CNLB, Sônia Gomes de Oliveira, ajudou a refletir sobre o Testemunho de uma Igreja sinodal, destacando que a experiência da sinodalidade não é para dar respostas, mas para ser vivenciada.

“É na palavra e na mesa da Eucaristia que está a possibilidade de se viver essa experiência sinodal. É para que possamos mudar nossos hábitos. Às vezes falamos o que fazer, ou executamos o que dizem que devemos fazer. Mas a experiência é algo da partilha. A Igreja sinodal não é algo novo, já existe na tradição da nossa Igreja. Mas tomamos modelos que nos afastam dessa experiência sinodal”, reforçou Sônia.

Testemunhando a Integridade da Criação foi o tema conduzido pela Irmã Rosi Bertoldo, Secretária Executiva da CNBB Norte 1, que partilhou sua experiência na Amazônia e na vivência do Sínodo para a Pan-Amazônia. “Pensar o cuidado da vida significa pensar o cuidado da casa comum. A integridade da criação é o universo ajustado na sua totalidade, em que a interdependência entre todos os seres gera harmonia, plenitude e equilíbrio de forças”, ressaltou Ir. Rose Bertoldo.

Fátima Ferre, coordenadora da Comissão Nacional de Fé e Política, assessorou a tenda Testemunhando uma Sociedade de Justiça e Paz. “Busquei na doutrina social da Igreja alguns elementos para falar de justiça e paz. Diante da realidade que temos, conseguimos ter paz? Como fazer acontecer a paz associada ao anúncio do evangelho? A paz é fruto da justiça e depende do equilíbrio entre a caridade, o amor e a busca de transformação a partir da nossa realidade, mudando nossa cidade”, enfatizou Fátima.

No final de cada tenda houve a partilha de testemunhos a partir do CNLB Nacional e da experiencia regional:

  • Testemunhando uma Igreja Sinodal: Laudelino Augusto dos Santos da Comissão Nacional de Assessoria Permanente do CNLB e Ramilda Lima da Prelazia de Tefé (AM);
  • Testemunhando uma Sociedade de Justiça e Paz: Sheila Ferraz da RCC, Organização Filiada ao CNLB e Jussara Goés do CIMI (AM/RR);
  • Testemunhando a Integridade da Criação: Hildebrando Pires, das Equipes Docentes, Organização Filiada ao CNLB e Diego Aguiar, articulador da REPAM (Internacional).


Retiro do Laicato – Reflexões sobre Identidade, Vocação e Protagonismo dos Cristãos Leigos e Leigas

Ir. Tea Frigerio, mmx – Orientadora do Retiro do Laicato – Foto: Deusemar Santos

No chão da Querida Amazônia, lideranças do Laicato do Brasil participaram de um Retiro sobre a identidade, vocação e o seu protagonismo como sujeitos eclesiais na Igreja e na Sociedade. Contou com a assessoria da religiosa irmã Tea Frigerio que, com ênfase no tema da Criação, trouxe uma iluminação baseado no lema da 42ª. Assembleia do CNLB: “Quanto a nós, não podemos nos calar sobre o que vimos e ouvimos” (At 4,20).

Foi momento para refletir sobre a necessidade dos leigos e leigas assumirem o compromisso de ouvir o clamor da criação e trabalhar em favor de uma ecologia integral atentos ao cuidado com a criação, com a casa comum.  Para isso, foram trabalhados os seguintes pontos:

  • Identidade e Vocação na Igreja
  • Criação e Ecologia Integral
  • Compromisso dos Cristãos Leigos, no Retiro do Laicato
  • Clamor da Criação e Ecologia Integral

Foto: Desemas Santos

Fonte: https://cnlb.org.br/

Gostou? Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram

Comentários