“A PJ é a possibilidade de nos realizarmos como pessoas”, afirma Cardeal Leonardo Steiner

Os 50 anos de caminhada da Pastoral da Juventude reúne a Pastoral da Juventude do Regional Norte1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB Norte1) na Maromba, em Manaus, de 14 a 17 de dezembro, para realizar o IX Encontro Regional da PJ, que tem como tema “Tempo de Celebrar, sejamos um Canto Novo, Profético e Missionário”, com a participação de mais ou menos 120 representantes de sete das nove igrejas locais que fazem parte do Regional.

Segundo Marcelo Pereira dos Santos, jovem da Prelazia de Tefé, que faz parte da coordenação da PJ no Regional Norte1, o encontro é uma oportunidade para que os jovens participantes possam “reconhecer histórias de pessoas que pisaram esse chão, que fizeram caminhada”. Na Amazônia, a Pastoral da Juventude tem muitos diferenciais na forma de fazer pastoral, segundo o jovem. Ele destaca a atenção que é dada à cultura, algo que deixa a Pastoral ainda mais rica. Isso vai ser celebrado com muita alegria, muita formação, muita festa ao longo desse encontro, um momento mágico, enfatizou o membro da coordenação da PJ Regional Norte1.

O encontro iniciou com uma Eucaristia presidida pelo Cardeal Leonardo Steiner, Arcebispo de Manaus e Presidente do Regional Norte1, que destacou a importância da PJ nesses 50 anos de caminhada, formando homens e mulheres que tem se tornado lideranças em diversos âmbitos no Brasil afora.  Na homilia, ele questionou se a PJ deseja viver o Reino de Deus, que definiu como “o jeito de Deus, o modo de Deus, é o modo de Deus que nós vemos em Jesus”. Lembrando que estamos a caminho de Belém, o arcebispo disse que “vamos de novo apalpar o jeito de Deus, que é simples, é pobre, não é ostensível, não é dominador, não se impõe, é um modo acolhedor, é um modo onde todos podem vir, os pastores, os mais pobres podem chegar”.

Segundo o Cardeal Steiner, “o Reino de Deus envolve a todos e a todas que de fato desejam viver o Reino de Deus”. Um Reino de Deus que é simplicidade, que se manifesta no consolo, “Jesus vai ao encontro das pessoas necessitadas, Ele não abandona, não deixa ninguém para trás, leva todos, esse é o jeito de Deus”. Ele insistiu em que “todos podem participar, todos devem participar, porque no Reino de Deus somos todos filhos de um mesmo Pai, filhas de um mesmo Pai. No Reino de Deus somos todos irmãos, não existe maiores ou menores, existe uma igualdade, uma igualdade de fraternidade, uma igualdade de respeito, uma igualdade de justiça”.

Um encontro em que “estamos agradecendo a Deus 50 anos de tantos jovens que procuraram compreender e viver o Reino de Deus”, destacando os testemunhos ao longo desse tempo. Ele colocou como um exemplo disso Flávio Dino, com quem sendo Ministro da Justiça o Cardeal Steiner se encontrou. Flávio Dino disse ser pejoteiro, testemunhando que “o que eu sou hoje como cidadão, eu devo à PJ. Eu aprendi com a PJ a questão da justiça, eu aprendi com a PJ a questão da fraternidade, eu aprendi com a PJ que a sociedade precisa de transformação”. Isso levou Dom Leonardo a disser que “a PJ é a possibilidade de nos realizarmos como pessoas, como mulheres, como homens”.

O Presidente do Regional Norte1 destacou que “o Evangelho mostra o caminho, o Evangelho não são normas, o Evangelho não são mandamentos, o Evangelho é um modo de viver, é um modo de se relacionar, é um modo de se querer bem, é um modo de se respeitar, é um modo de acolher, é um modo de ir ao encontro dos outros, é um modo de esperança”. Ele convidou os jovens a ler o Evangelho todos os dias, “vocês vão encontrar as belezas que tem, e aí aquele vazio que às vezes nós sentimos, nós vamos devagarinho, devagarinho, que Deus no vazio nos fala, que Deus no vazio se faz presente”.

Diante das pessoas que dizem perder sua fé, o cardeal insistiu em que “a fé a gente na perde, porque a fé a gente recebeu, é a fé que grudou na gente, não é a gente que grudou na gente, é a fé que nos pegou, não fomos nós que pegamos a fé”. Uma fé que não é certeza, “é a fé que nos guia através dos caminhos que nós ainda não sabemos e não conhecemos”, destacou o cardeal. Ele colocou a leitura da Bíblia como caminho para aprofundar na fé e disse que “a PJ é a possibilidade de aprofundarmos a nossa fé, de darmos passos em maior profundidade. A PJ é a possibilidade de nós vislumbrarmos com maior profundidade quem Deus significa para nós, quem é Jesus para mim”, de segundo diz a Segunda Carta de São Pedro “darmos razão da nossa fé”.

Para isso, ele falou das reuniões, debates, encontros, celebrações como modo de “devagarinho encontrarmos esse caminho tão bonito do Reino de Deus, tão realizador do Reino de Deus”, pedindo “que Deus nos acompanhe nessa caminhada e que vocês deixem sinais fortes e vigorosos na PJ para que os outros pensem, a PJ vale a pena. E a PJ indique o caminho de vida, mostre o futuro, mas não o futuro lá, o futuro presente”.

Por Pe. Luis Miguel Modino, assessor de comunicação CNBB Norte1

Gostou? Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram

Comentários