5º CMN – O Caminho de Emaús nos faz entender que o plano de Deus tem outra lógica

O 5º Congresso Missionário Nacional, que está sendo realizado em Manaus de 10 a 15 de novembro, tem como fundamento a passagem dos discípulos de Emaus: “Corações ardentes, pés a caminho”, extraído do Evangelho de Lucas, capítulo 24, versículos de 13 a 35. Este trecho foi analisado pela Ir. Zuleica Aparecida Silvano, da Congregação Filhas de São Paulo (Paulinas), durante a Conferência realizada na manhã do dia 11 de novembro.

O destino do anúncio é universal
A religiosa paulina destacou a importância da escuta, “uma característica do povo de Israel, pois Deus escuta o clamor do povo e vem para resgatá-lo”, insistindo na necessidade de entender que “a escuta atenta da realidade e o modo cristão de agir, como um estilo de vida (o caminho), ambos apontam para uma dinâmica, um movimento”. Um relato que “explica onde está Jesus ressuscitado, que parece ausente na vida cotidiana, e ressalta que o destino do anúncio não é só o interior da própria comunidade mas é universal”.

Um texto que ressalta “a transmissão do querigma; a experiência da convivência comunitária como lugar que alimenta a fé, fortalece a esperança, e envia pessoas até os confins da terra, para anunciar a palavra salvadora a todos e todas; e que se expressa no amor, na solidariedade, na irmandade. Tudo isso se dá no caminho e num processo de escuta e diálogo recíproco”, segundo a Ir. Zuleica Silvano.

Superar as expectativas limitadas
A partir de algumas perguntas presentes na comunidade lucana, destacou o dia da ressurreição, os efeitos da ressurreição na vida das pessoas. Dois discípulos, Cléofas, que pode ser de um gentio que aderiu ao judaísmo, ou de um judeu residente em Emaús, e um outro anónimo, que “pode ser qualquer um ou uma de nós”, que são “pessoas que percebem o fim de suas esperanças”, segundo a religiosa. Eles esperavam que “Jesus se adequasse às suas expectativas limitadas”, dado que “não era fácil pensar no messias crucificado”, pois “os discípulos tinham apostado tudo no projeto de Jesus e no Reino anunciado por ele”.

No texto, a doutora em Teologia Bíblica, insiste em que não é um caminhar e sim um fugir, onde Jesus entra, se coloca a caminho, e mesmo sem ser reconhecido inicia um diálogo, há um encontro. Os discipulos relatam os fatos acontecidos, citam o querigma, mas eles não acreditam no anúncio das mulheres que Jesus está vivo. É a partir da escuta e o diálogo, da inclusão do estranho, que eles vão descobrindo Jesus, o que demostra a importância da “disposição de escutar o desconhecido, sem preconceito, crítica, arrogância ou rejeição”, enfatizou a assessora.

Um Messias frágil, humilde, impotente
“Após escutar os lamentos que vem das feridas expostas, o ‘peregrino desconhecido’ apresenta a palavra da salvação vinda do próprio Deus”, segundo a religiosa paulina. Segundo ela, “os fatos vividos são compreensíveis só quando confrontados com a única fonte: o Ressuscitado”, quando se entra “na lógica de Deus”, quando se assume que “Deus conduz a história”, quando se assume “um Messias frágil, humilde, impotente, o Filho de Deus Crucificado, sofredor, mas profundamente amante. Um Deus que opta pela vulnerabilidade, pela pequenez, e convida os discípulos e discípulas a fazer da kénosis (evaziamento) um estilo de vida, que chama a se colocarem entre os últimos, sem poder ou prestígio e deixar-se conduzir pelo caminho da cruz e da ressurreição”.
Dois discípulos que aceitam ser confrontados, por um “peregrino desconhecido”, segundo a religiosa, que destacou a importância da abertura para a novidade. Um diálogo que “lança luzes sobre o passado e mantém a esperança no futuro, porque cria comunhão no presente”, e que demanda “dispor-nos a escutar o mundo, uns aos outros e a nós mesmos”, pois, segundo a religiosa, “escutar é uma grande necessidade do ser humano, mas é algo exigente”.

Um Deus que fala e escuta
Refeltindo sobre a importância da escuta, na Bíblia, que “está ligada à relação dialógica entre Deus e a humanidade, um Deus que fala e escuta”, a religiosa afirmou que “todo diálogo supõe assumir o risco de estar juntos, de ‘deixar-se afetar’, que não é um mero comover-se, mas é acolher a diversidade do outro”, é “permitir que adentrem em seu interior as vivências do outro”. Tendo em conta o atual caminhar da Igreja, a Ir. Zuleica Silvano disse que “o processo sinodal permite dizer que diálogo, escuta e sinodalidade são inseparáveis, pois se sinodalidade é caminhar juntos, escutar e dialogar consiste em pensar juntos”, definindo o caminhar juntos como “lugar teológico”.
Um dialogar que leva a um novo olhar, a reler a história, a nos abrirmos a horizontes inesperados, superando “pequenas certezas”, entender que “o plano de Deus tem outra lógica”. A consequência disso é “o entrar em comunhão, o permanecer, o não ter pressa na convivência”, expressado no sentar-se à mesa, e alí descobrir Jesus “nas realidades simples da vida de cada dia”, no partir o pão. Isso faz arder o coração, mostrando que “a
realidade é dura, mas só a suportaremos se nos deixarmos afetar pela Palavra Encarnada que é Jesus e nos deixarmos amar por ele”, destacou a religiosa paulina.

Um Deus encarnado nas periferias
A biblista resaltou os três movimentos de Deus presentes na Escritura: o descer, o ir ao encontro e o caminhar com a humanidade. Igualmente destacou algumas atitudes: o reconhecimento do “outro”, uma relação intensa, uma comunicação autêntica que se estabelece na vulnerabilidade comum.
Finalmente, a Ir. Zuleica Silvano destacou que “a relação das promessas da Escritura com a missão universal não é fácil de compreender, só Jesus e o Espírito podem ajudar os discípulos e discípulas a entenderem tamanha grandeza”. Isso porque “o objetivo da missão das comunidades em Lucas não é ficar em suas fronteiras, mas levar a salvação do Filho de Deus Encarnado até as extremidades da terra, e de forma especial para as periferias”, sempre presentes no pensamento do Papa Francisco, que nos leva a “entrar em espaços desconhecidos, peregrinar no mundo dos outros, desbravar novos caminhos e abrir novos horizontes”.

Por Pe. Luis Miguel Modino
Assessor de Comunicação do Regional Norte 1-AM
Coordenador da Comissão de Comunicação da Arquidiocese de Manaus

Gostou? Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram

Comentários