“Não cairmos na tentação de fecharmos os olhos para não vermos a fome dos irmãos”

A passagem do Evangelho do Primeiro Domingo da Quaresma leva o Cardeal Leonardo Steiner a se questionar: “Como é possível que o Filho de Deus seja tentado?”, respondendo que “Ele se prepara para iniciar a sua missão como anunciador do Reino dos céus”. Segundo o Arcebispo de Manaus, “a tentação a nos indicar a experiência da fé em nossa condição humana, na finitude. É a experiência da realidade humana, confrontada com a decisão de buscar a vida nova; é o confronto que pode iluminar o caminho da fé pela verdade do Evangelho, pela morte e ressurreição de Jesus”.

O Cardeal Steiner define a tentação como “a experiência da fé em nossa limitação, em nosso mundo”, e junto com isso como “a experiência de, na limitação, nos abrirmos para a graça da vida nova oferecida por Jesus e que o Evangelho sempre nos aponta: a liberdade, o amor do Pai”. Ele insiste em que “temos muitas tentações!”, relatando alguns exemplos, que mostram a tentação como “uma realidade humana, um acontecer humano”. Do ponto de vista moral, a tentação é vista como “a experiência que fazemos de nos confrontarmos com uma situação, pessoa, objeto, e entramos numa decisão”.

Dom Leonardo insiste em que “a tentação pode levar ao pecado, mas não é pecado”. Citando Santo Agostinho, ele diz que “a tentação pode nos fortificar no caminho do seguimento de Jesus”, uma experiência que nos é apresentado no Evangelho de hoje. No texto a tentação aparece como “experiência da transparência de Jesus na relação com o Pai. Jesus é tentado, é provado”. O Cardeal nos faz ver que “na narrativa das três tentações Jesus é confrontado com a fome, com o poder e com o não abandono de Deus. A tentação da fome de transformar a pedra em pão; a tentação do domínio de assumir o poder dos reinos; a tentação de não ser abandonado por Deus, sendo servido e acolhido pelos próprios dos anjos”.

Em sua reflexão o Arcebispo de Manaus pergunta: “O que nos ensinam os 40 dias de jejum de Jesus no deserto?”. Ele afirma que “no tempo, na nossa realidade concreta e imediata da vida somos sempre de novo confrontados com o que deveríamos ser: transparência de Deus. Casto, continente, transparência de Deus é Jesus nas tentações”. Segundo Dom Leonardo, “cada uma das tentações Jesus vai aclarando o sentido de todas as coisas e de si mesmo. A cada tentação Jesus deixa mais evidente a sua pertença ao Pai. Em cada tentação Jesus se torna mais casto e continente, isto é, límpido e transparente na sua relação com o Pai”.

“Jesus sai do deserto mais forte, sai das tentações mais lúcido. Ele sai mais transparente da experiência do deserto, isto é, das tentações do deserto. O Filho do Pai não tenta o Pai, não é tentado pelo Pai, mas por aquele que divide, o diabo. É tentado e na tentação se reencontra como Filho no Pai”, insiste o Cardeal. Ele questiona “na aridez, no confronto com a nossa temporalidade, no deserto, nos 40 dias de nossa vida, não estamos sempre na tentação do fechamento e do enclausuramento em nossa realidade e na tentação contínua de querermos ultrapassar, transcender a nós mesmos as nossas dificuldades e tensões? Não estamos na tentação de fugir do deserto, isto é, do confronto com nossa realidade nua e crua, dura, ofegante, pesada e tentarmos, num passe de mágica, querer transcender, ir para além, a partir de nós e não enfrentarmos na raiz as limitações?”. Dom Leonardo responde que “nas tentações de Jesus nos é apontada a medida grandiosa da tentação como prova, como confronto, como busca do que somos não a partir de nossas forças, mas de Deus”.

Segundo o Arcebispo, “no início da Quaresma, a palavra de Deus nos indica o caminho da tentação como a experiência da nitidez de sermos filhas e filhos do Pai Celeste”. Elequestiona: “não seria a tentação, a provação, o medir-se com nossa realidade desértica, e no jejum, na oração, na esmola, crescermos, assim, na nossa responsabilização e transparência do que somos na nossa raiz, sem nos deixarmos dividir e sem deixarmos decair o sentido inigualável de sermos busca do Reino definitivo. A tentação não como peso que carregamos, mas como chance e possibilidade de abrir toda a nossa pessoa à verdade do Pai?”.

Dom Leonardo Steiner lembra que no Pai nosso rezamos “não cair em tentação”, perguntando se “a tentação não seria, assim, a experiência que fazemos, por termos recebido a graça da crença em Jesus, o Filho de Deus, de aprofundar nossa relação com o Pai e sermos conduzidos pelo Espírito? E como Jesus no deserto, tentado por 40 dias, se aproxima limpidamente do Pai, não seria a tentação no deserto de nosso peregrinar, nos 40 dias de nosso tempo, a nossa possibilidade de entramos com maior nitidez, quando guiados pelo Espírito, no mistério da dor, da cruz, da morte de Jesus e nossa?”

O Arcebispo de Manaus faz ver se “não seria o tempo da Quaresma o tempo em que examinamos melhor o sentido da nossa vida e percebemos o quanto na tentação, isto é, o quanto, na experiência concreta do Evangelho, guiados pelo Espírito, podemos chegar à plenitude da vida cristã? Não seria a tentação, guiados pelo Espírito, chance de termos olhos abertos e límpidos, como Jesus, e tentarmos em cada tentação, vermos melhor as coisas do alto?”. Daí ele destaca que “a tentação pode elucidar e optar pela grandeza sem igual da vida amorosa com o Pai”, insistindo em que “para o cristão a tentação é a possibilidade, sempre renovada, de confronto, de maturação, para deixar-se guiar pelo Espírito. Tentação é fazer a experiência de quem apreendeu a amar como Jesus ama e é amado pelo Pai. Por isso, rezamos em cada Pai nosso: não nos deixeis cair da tentação”.

“A tentação pode nos levar a pecar. Como dizemos cair em pecado. O Evangelho de hoje nos ensina que Jesus na tentação vai clareando a sua relação com Pai e clareando a sua missão. Sai do deserto purificado, fortificado”, segundo Dom Leonardo. Ele lembrou que “iniciamos na quarta-feira das cinzas nosso caminho quaresmal. Ao recebermos as cinzas nos dispusemos a sondar com mais disposição e alegria o nosso viver de cristãos”.

Refletindo sobre esse caminho, o Cardeal o define como “precioso e rico para nos encontrarmos com a razão de nossa fé, a razão de ser cristão, de sermos católicos. Esse tempo como o tempo favorável de conversão, pessoal, comunitário, social e ambiental. Uma conversão uma mudança de vida na sua totalidade. Ao ressoarem hoje aos nossos ouvimos o jejum de Jesus no deserto nos damos conta da necessidade de nos abrirmos, para nos deixarmos sondar pelo Mistério da nossa salvação, o Mistério do amor”.

Em relação à Campanha da Fraternidade, Dom Leonardo faz ver que “fraternidade e fome é a realidade que a Igreja no Brasil nos propõe para reflexão, confronto, discussão e oração no tempo da quaresmal. A fome que não deixa acontecer a fraternidade, a fome que demonstra que não somos fraternidade. Por isso o lema buscado em Mateus: “Dai-lhes vos mesmos de comer” (Mt14,16)”.

O Cardeal Steiner lembrou as palavras do Papa Francisco em relação à fome, questionando: “como permanecermos indiferentes e insensíveis, como seguidores e seguidoras de Jesus, com 33 milhões de brasileiros que enfrentam a fome?”. Diante disso, ele pediu: “não cairmos na tentação de fecharmos os olhos para não vermos a fome dos irmãos”.

Dom Leonardo lembrou também o esforço feito nas nossas comunidades, a ajuda oferecida por pessoas, que ele vê como admirável. Segundo ele, é “admirável, pois a fome não nos deixa indiferentes. Sentimos a responsabilidade de irmãos, de irmãs”. Ele denuncia que “no entanto, a questão é estrutural. O sistema econômico ignora, descarta os pobres, não os insere na sociedade, não os dignifica”. Por isso, ele cobra a necessidade de “políticas públicas que possibilitem trabalho e permitam a todos participar com dignidade e modo justo na sociedade e na Igreja”.

Finalmente, o Arcebispo pediu que “o Pai nos conceda a graça de, no deserto do tempo de nossa vida, fazermos, em cada tentação, a experiência da grandeza de seu amor e nos apercebermos Filhas e filhos do Pai do céu, servindo aos famintos”.

Por Pe. Luis Miguel Modino

Gostou? Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram

Comentários