Arquidiocese de Manaus

Arquidiocese de Manaus ordena oito novos diáconos permanentes para o serviço da caridade, da palavra e da liturgia

O diácono exerce o serviço da Caridade, da Palavra e da Liturgia, expressão de Cristo que veio para servir e não para ser servido.  E, cientes da missão de servir, que após longa preparação, oito candidatos ao diaconato permanente foram ordenados na manhã do dia 23 de abril de 2022, pelo arcebispo Dom Leonardo Steiner, em solenidade realizada na Catedral Metropolitana de Manaus.  Estiveram presentes familiares e amigos, diáconos e padres que os acolheram no clero diocesano. Também estiveram presentes neste importante momento, concelebrando, os bispos auxiliares Dom José Albuquerque e Dom Tadeu Canavarros, e monsenhor Sabino.

Nesta ordenação disseram sim ao chamado para o diaconato  Agamenon de Assis Silva, Agdo de Freitas Guimarães Filho, Carson Farnela Duarte, Edivaldo Pereira da Silva, Harley Oliveira Bacelar, Márcio Pedro Gomes dos Santos, Paulino Pedro da Conceição Maciel, e Valtemir Livino Ribeiro. Durante o rito de ordenação, eles foram apresentados publicamente e aceitaram o chamado diante do arcebispo que os ordenou e de toda a igreja ali reunida. Dom José Albuquerque, bispo auxiliar da Arquidiocese de Manaus, que acompanhou a formação destes, tomou a palavra e disse ao arcebispo que estes são os que a igreja pediu que fossem ordenados ao ministério do diaconato.

Os novos diáconos escolheram como lema de sua ordenação a passagem bíblica “Disponham-se a serviço uns aos outros através do amor” (Gl 5,13) , que deverá iluminar suas caminhadas, servindo como um horizonte, um norte da vida diaconal.

Os diáconos permanentes são homens casados ou celibatários que, chamados para seguir Jesus Cristo Servidor, recebem o Sacramento da Ordem do Diaconato através da imposição das mãos do Bispo. O diácono dá testemunho de vida em comunhão, de forma privilegiada, a partir de sua família e ambiente de trabalho. “Nossos irmãos foram apresentados à igreja reunida e foram considerados aptos e escolhidos ao diaconato.  São Vocacionados. Antes de serem apresentados, foram chamados e eles responderam: Eis-me aqui!  É que eles ouviram o chamado “Vem e segue-me” e hoje, diante da Igreja, respondem: Eis-me aqui!”, explicou Dom Leonardo.

“O serviço, o diaconato é um ir, um movimentar-se, um sair, um estar a caminho; doação livre e generosa. Pelo mundo inteiro, a toda a criatura! Quase espanta a missão que se recebe pelo mundo inteiro. Quantos mundo a serem percorridos no servir a Palavra, a caridade: mundo da violência, da guerra, da desfraternidade, da imoralidade, da destruição, da desavença, do desconforto, da fome, do frio. Ser boa nova nesses mundos, servir. Mundos a esperar o anúncio da Boa Nova, o Evangelho”, afirmou Dom Leonardo durante sua homilia.

Por fim, Dom Leonardo explicou que estes, ao serem ordenados diáconos não são retirados da família, mas inserem a família na ação evangelizadora e sacramental da Igreja. O cuidado e desvelo no seio familiar se intensifica com a ordenação diaconal. Tornam-se sinal de esperança para muitas famílias em dificuldade e muito contribuirão para a fecundidade da igreja e fecundidade pessoal, cultivando a humildade, ungindo com o bem e a bondade, cuidando dos pobres, dos mais necessitados.

Ao final, o neo diácono Agdo de Freitas proferiu palavras de agradecimento, em nome dos demais diáconos recém ordenados.  “Recebemos hoje a ordem diaconal, temos agora ao duplo sacramento, como homens casados e a serviço da palavra, da caridade, e da liturgia. Após longos anos de preparação, enfim chegamos e será o início de uma nova etapa em nossas vidas […] Queremos agradecer a todos que ao longo da nossa formação nos ajudaram e nos deram especial atenção na transmissão de seus conhecimentos. Aos padres, às freiras, aos diáconos permanentes, aos seminaristas, ao Instituto de Teologia Pastoral (Itepes), ao Seminário São José, Maromba, Casa de Retiro Sagrado Coração de Jesus, aos leigos, às nossas comunidades, aos amigos que já tínhamos e outros que conquistamos, aos nossos familiares, esposas e filhos, o nosso muito obrigado!”, agradeceu Agdo.

E por fim, o diácono Agdo pediu oração para que possam bem exercer este novo ministério que acabaram de receber e a intercessão de Maria e de José. “Que Nossa Senhora Imaculada Conceição, padroeira do Amazonas, sempre fiel ao projeto de Deus no seu chamado, esteja sempre conosco,  assim também seu esposo São José, exemplo de pai de protetor e companheiro, nos ensine a fazer a vontade de seu filho”, destacou o diácono Agdo ao final de seu discurso.



Por: Ana Paula Gioia Lourenço

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *