Arquidiocese de Manaus

Igreja Católica afirma compromisso com a luta dos povos indígenas

A luta pelas causas dos povos indígenas é um compromisso da Igreja Católica. Suas ações visam fazer um espaço de discussão, inclusão e visibilidade. Não tem o objetivo de evangelizá-los acerca da religião, mas unir-se a eles, que são patrimônio da humanidade e guardiões da floresta.

O Conselho Indigenista Missionário – CIMI, é um organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, há 45 anos por meio de sua ação missionária, desenvolve o diálogo inter-religioso, e ecumênico, favorecendo articulação entre aldeias e povos. Inserido em 11 regionais no país e um Secretariado Nacional em Brasília, o CIME conta com cerca de 171 missionários, entre leigos e religiosos.

Guenter Francisco Loebens é graduado em licenciatura em História, especialista em ética e política. É missionário indigenista desde 1978, ano em que veio para o Amazonas; e autor, juntamente, com Egon Heck e Priscila Carvalho, da obra “Amazônia Indígena: Conquistas e desafios” e um dos organizadores de “Povos Indígenas Isolados na Amazônia – uma luta pela sobrevivência”, do CIMI e UFAM. De acordo com o missionário, apesar da lei abolicionista da escravidão indígena ter sido consolidada em 1958, os povos indígenas não são livres no Brasil.

O CIMI tem chamado atenção das autoridades com relação aos direitos dos povos indígenas. Um retrocesso é a aprovação do PL 490/2007, que é a demarcação de terras. Outro projeto que também ataca os direitos dos povos indígenas é o PL 191/2020 que quer permitir a mineração em terras indígenas. Segundo Guinter, essas ações são projetos de morte.

Marcivana Saterê -Maué integra a Coordenação dos Povos Indígenas de Manaus e Entorno, COPIME e é membro da Pastoral Indigenista da Arquidiocese de Manaus – PIAMA. Segundo ela, os indígenas vem conquistando espaços de direito por meio de suas representações.

Dom Leonardo afirma que a luta dos povos indígenas também é compromisso da sociedade

A igreja manifesta preocupação com essas iniciativas econômicas e exige dos parlamentares um debate aberto e profundo sobre o tema. O Arcebispo Metropolitano de Manaus, Presidente da Comissão Episcopal Especial para a Amazônia, e Primeiro Vice da Conferência Eclesial da Amazônia, Dom Leonardo Steiner, afirma que temos uma dívida com os povos indígenas e nos questiona, onde estão os Manaós?

Ouça a matéria em áudio:

Rafaella Moura – Rádio Rio Mar



Por: Rafaella Moura



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *