Arquidiocese de Manaus

Carreata e Missa Solene encerram os festejos de N. Sra. Das Graças

No dia 27 de novembro a Igreja celebra o dia de Nossa Senhora das Graças, também conhecida como Nossa Senhora da Medalha Milagrosa e, em virtude dos cuidados pós pandemia causado pelo Coronavírus, pelo segundo ano consecutivo não aconteceu na paróquia a tradicional procissão que sempre atrai milhares de fieis dos quatro cantos da cidade, sendo substituída pela carreata pelas principais ruas do bairro seguida pela missa solene presidida pelo bispo auxiliar, Dom José Albuquerque e concelebrada pelo pároco, Pe. Luiz Marcolino.

Esse ano o tema dos festejos foi “Fazei tudo que Ele vos disser” (Jo 2,5) e, na programação do encerramento, além da carreata e missa solene (dentro da igreja e também na quadra ao lado do estacionamento acompanhando pelo telão), a comunidade também participou da Santa Missa às 3h da manhã; às 5h teve a Alvorada de Nossa Senhora; às 10, missa das crianças; às 12h Ofício de Nossa Senhora e Santa Missa e às 16h30, animação pré-carreata que começou as 17h sendo conduzida pelo Pe. Paulo César Ferreira, que foi o pároco anterior ao Pe. Luiz.

Pe. Luiz Marcolino é missionário vindo da diocese de Lins (SP), chegou à Manaus em setembro de 2016, de lá pra cá atuou em algumas paróquias e, no dia 20 de fevereiro, tomou posse como pároco. Em seu primeiro ano a frente de um dos festejos mais tradicionais da arquidiocese, Pe. Luiz destaca o carisma e a fé das pessoas, além da gratidão a todos os demais padres que ajudaram no decorrer do novenário (de 17 a 26), que foi trabalhado na dinâmica de um retiro com a presença marcante das pessoas.

“Não tenho palavras para expressar como foi emocionante celebrar esses 11 dias de festas em honra a N. Sra. das Graças. Durante esse tempo buscamos trabalhar bem o tema, tivemos a passagem de vários padres e bispos e a presença marcante das pessoas demonstrando muita devoção mesmo na missa às 3h da manhã. A chegada da imagem restaurada também foi um momento muito emocionante, assim como as pessoas também gostaram muito da reforma que fizemos na igreja. Enfim, foi uma graça muito grande”, disse Pe. Luiz.

Em sua homilia, Dom José comentou sobre a importância de N. Sra, a Imaculada concebida sem pecado que nos trouxe o Salvador. “Nós não idolatramos Nossa Senhora, Ela nunca quis estar no centro e sempre nos apontou Jesus e, qual o filho que não fica contente quando ver a sua mãe sendo acolhida e amada? Ela nos trouxe o salvador, é a mãe de toda a humanidade redimida e salva pelo sangue de Jesus derramado na cruz e tudo que Ela quer e nos ver unidos em Cristo”, comentou dom José.

A história da devoção

A devoção à Nossa Senhora das Graças foi iniciada no século XIX, por meio das aparições da Virgem para Catarina Labouré que, ao ficar órfã, adotou Maria Santíssima como sua mãe, a quem dedicou sua vida. Ligada à congregação das Filhas da Caridade, Catarina acolheu atentamente as recomendações da Virgem em suas três aparições. Na última delas, Maria Santíssima apresentou-lhe o modelo de uma medalha que desejava que fosse cunhada e deveria ser dedicada à Nossa Senhora das Graças, com uma rica simbologia. Em 1832 foi feita a primeira distribuição da medalha. Em 8 de novembro de 1854, o Papa Pio IX proclamou o dogma da Imaculada Conceição de Maria, declarada sem mancha e livre do pecado desde sua concepção, por obra e graça de Deus.

 Guarda de Nossa Senhora

A Guarda de Nossa Senhora é composto exclusivamente por homens e foi reorganizada para que os mesmos possam ter um contato mais próximo com Maria. É como se fosse uma braço do Terço dos Homens, que ajudam ao pai de família também exercer a sua fé, fazendo o terço e a guarda se tornam um só pelo amor de Maria, além de se tornarem exemplos para que outros homens passam também sentir esse amor e esse chamado divino para servir, conforme explica Leon Leal, um dos coordenadores.

“Recordando momento que passou (a pandemia), creio que esse momento nos festejos de Nossa Senhora das Graças seja de gratidão, por Deus nos proporcionar esse reencontro. É o momento de agradecer pelos livramentos, de agradecer pela saúde e dizer o mesmo “SIM” que ela disse ao Senhor para servir como instrumento de evangelização e nós também estamos dizendo esse sim ao Pai. Assim podemos retribuir ao mesmo um pouquinho dessa proteção a memória que fazemos a Nossa mãezinha,  além de ajudar aos fiéis a exercitarem sua fé.

Paróquias dedicadas à Nossa Senhora das Graças:

 – Paróquia Nossa Senhora das Graças, ligada ao Setor Parque Dez, Região Episcopal Nossa Senhora dos Remédios (Rua Libertador, 55, Nossa Senhora das Graças). A construção da igreja foi iniciada em 1953 e sua inauguração foi em 27/11/1955.

– Paróquia Nossa Senhora das Graças – Aleixo, ligada ao Setor São José Leste. Região Episcopal Nossa Senhora dos Navegantes (Travessa Getúlio Vargas, 50, Colônia Antônio Aleixo), fundada a 71 anos.

 Capelas dedicadas à Nossa Senhora da Medalha Milagrosa:

– Na Casa da Criança – instituição filantrópica fundada em Manaus em 1948, no bispado de Dom João da Mata de Andrade e Amaral (Rua Ramos Ferreira, 1.345, Centro), temos a Capela Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. A capela é assistida pelos serviços eclesiais da Paróquia São Sebastião, Mártir e São Francisco de Assis e está sob os cuidados das Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo. A capela foi inaugurada no dia 27/11/1956.

– Na Paróquia Menino Jesus de Praga, ligada ao Setor Parque Dez e à Região Episcopal Nossa Senhora dos Remédios, temos a Capela Nossa Senhora da Medalha Milagrosa (Avenida Djalma Batista, Conjunto Beverly Hills, Rua 1, s/nº, Chapada). A capela foi inaugurada no dia 27 de novembro de 1989.

Informações colaboração: Adriana Ribeiro

Fotos colaboração: Arquivo Guarda N. Sra. e Rosângela Mello



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *