Arquidiocese de Manaus

COP 26 – Artigo Dom Leonardo Steiner – Jornal Em Tempo – 20 e 21.11.2021

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP26, foi celebrada em Glasgow, Escócia, entre 1 e 12 de novembro. As primeiras reações foram cautelosas e até críticas aos pontos acertados entre os quase 200 países participantes.

As Conferências nem sempre tem oferecido passos importantes quanto às mudanças climáticas, mas são necessárias para gerar um clima de diálogo, de análise científica que animem os países a dar passos no cuidado da casa comum.

Talvez a maior dificuldade, estejam os interesses econômicas das grandes empresas de muitos países e as fontes energéticas que rendem economicamente às empresas e aos países. Entrar na cultura da atenção e da solidariedade tem seus empecilhos e dificuldades. A cultura que impera é do desfrute e dominação em relação à natureza. A ciência tem demonstrada a necessidade de uma nova postura em relação ao meio ambiente, se desejamos permanecer na terra.

O documento final traz avanços tímidos na busca da superação da crise climática, como dar peso necessário à meta de limitar o aquecimento global a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais. Como manter a nível de 1,5ºC e continuar com os mesmos parâmetros de poluição e destruição da natureza? Talvez, o mais animador seja que o acordo de Paris para limitar o aquecimento global em 1,5ºC foi mantido.

Houve um avanço, pois menciona pela primeira vez a indústria de combustíveis fósseis, principal responsável pela emissão de gases do efeito estufa. Busca a “redução progressiva do uso desenfreado” do carvão, mas não estabelece prazos substituir por outra fonte energética não poluente. “É hora de adotar o modo de emergência, é hora de eliminar os subsídios aos combustíveis fósseis, abandonar o carvão, colocar um preço no carbono, proteger comunidades vulneráveis dos impactos das mudanças climáticas. Não chegamos a esses objetivos nessa conferência, mas temos alguns meios para construir o progresso.” (António Guterres, secretário-geral da ONU).

“O clamor dos pobres, unido ao clamor da Terra, ressoou nos últimos dias na Cimeira das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas COP26, em Glasgow. Encorajo quantos têm responsabilidades políticas e econômicas a agir imediatamente com coragem e clarividência; ao mesmo tempo convido todas as pessoas de boa vontade a exercerem uma cidadania ativa a favor do cuidado da casa comum. Para esta finalidade, hoje, Dia Mundial do Pobre, abrem-se as inscrições para a plataforma Laudato si’, que promove a ecologia integral.” (Papa Francisco)

A próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, COP27, será realizada no Egito. A mudança cultural em relação à Mudança Climática acontece antes, durante e depois das Conferências. A pesquisa, as discussões, as propostas deveriam movimentar os países, os cientistas, os grupos sociais, para que a terra, nossa casa comum, se mantenha viva e possibilite o conviver, também, no futuro.

Dom Leonardo Steiner

Arcebispo de Manaus


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *