Arquidiocese de Manaus

Vacina: Esperança de Vida – Artigo de Dom Leonardo Steiner

É urgente recebermos a vacina que nos imuniza contra o COVID 19. Estamos sempre mais convictos que somente a imunização das pessoas poderá conduzir à normalidade de encontros, celebrações, expressões de cuidado e afeto.

A palavra vacina vem do latim vaccinae, vacca, que significa “da vaca” ou “relativo à vaca”. O cientista e médico inglês, Edward Jenner, ouviu relatos de que na zona rural as pessoas não eram infectadas pela varíola, pois haviam sido infectados pela varíola bovina, cujo impacto é menor sobre no organismo humano. “Ele então introduziu os dois vírus em um garoto de oito anos e percebeu que o rumor tinha de fato uma base científica. A palavra vacina deriva justamente de Variolae vaccinae, nome científico dado à varíola bovina” (www.bio.fiocruz.br).

O cientista francês Louis Pasteur ao encontrar uma substância que imunizava contra a cólera e carbúnculo, a “batizou” com a palavra vacina, em homenagem a Jenner. A palavra vacina passou a significar a substância produtora de antígenos imunizantes. Com a presença sempre maior de vírus e o avanço da ciência, fomos recebendo sempre mais imunizantes.

O número de óbitos nos choca e, infelizmente, pode nos levar à indiferença. A imunização é nossa esperança! O Brasil tem larga experiência nesse âmbito: num dia vacinou a 18 milhões de crianças contra poliomielite, 100 milhões de pessoas contra H1N1, em três meses no ano de 2010; em 2020, vacinou 80 milhões de pessoas contra a influenza. Não só tem experiência, mas também comprovação da eficácia das vacinas através de décadas.

Estamos necessitados de vacina. Desejamos voltar às nossas atividades cotidianas, aos serviços e trabalhos profissionais, às celebrações religiosas, aos encontros familiares e sociais. Até insistimos na necessidade de a economia não parar. Esquecemos de que há necessidade de pessoas imunes, vivas e não mortas, para que a economia “funcione”, volte a “andar”. Graças à ciência, apesar do atraso, da desorganização e da politização em torno da vacina, estamos num processo, ainda que lento, de imunização da população brasileira contra o COVID. O despreparo e o descaso do Governo não se justificam. Necessitam responsabilização e averiguação judicial.
A vacina não protege somente quem a recebe, mas também a sociedade como um todo. Quanto mais pessoas forem vacinadas, menor a quantidade de pessoas que serão afetadas pelo vírus do COVID 19. Assim, menor a probabilidade de transmissão desse patógeno.

Estamos necessitados de vacina também contra a corrupção, a economia que mata, a destruição da casa comum, as notícias falsas. Temos necessidade urgente de nos deixarmos imunizar contra o COVID 19 e seus descendentes, mas também contra todos os males que vão destruindo a nossa convivência, a nossa dignidade, nossa justiça. É urgente a superação da pandemia com a vacinação, a imunização dos brasileiros e brasileiras. É urgente nos imunizarmos com a ética, com a fé, com a justiça, com a verdade para viver dignamente em sociedade, em fraternidade.

Diante de tantas mortes, a vacina é nossa esperança de vida. Ela nos protege do vírus de morte, protege as nossas famílias, aqueles que amamos. Vamos receber a vacina e viver!

+ Leonardo Ulrich Steiner
Arcebispo de Manaus

JORNAL: EM TEMPO
Data de Publicação: 13.03.2021

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *