Arquidiocese de Manaus

Arcebispo de Manaus agradece ao Papa Francisco pela oração e ajuda econômica

Uma situação dramática, essa é a realidade de Manaus em palavras do Dom Leonardo Steiner. “Nós estamos sem leitos nos hospitais, nós estamos sem leitos nas UTI, nós estamos com falta de oxigênio, apesar de se dizer que está suprida essa falta de oxigênio”, afirma o arcebispo da capital do Amazonas. Segundo ele, “nós temos no momento oxigênio, mas não temos ainda uma programação de ajuda de oxigênio”.

“Nós ficamos muito surpresos e agradecidos pela solidariedade, existe muita solidariedade em Manaus, existe muita solidariedade no Amazonas, existe muita solidariedade no Brasil, existe muita solidariedade internacional”, afirma Dom Leonardo. O Papa Francisco também tem sido solidário com a Amazônia. É por isso que, em nome da “Arquidiocese de Manaus, mas também nos bispos do Regional Norte 1 da CNBB, os bispos de Roraima e do Amazonas”, Dom Leonardo diz que “somos profundamente agradecidos ao Papa Francisco pela solidariedade dele. Esse amor paterno pela Amazônia, pelos povos da Amazônia”.

Na audiência desta quarta-feira, o Papa Francisco, dizia que “nestes dias a minha oração por quantos sofrem com a pandemia, de modo especial em Manaus”. Junto com isso, nesta semana, o Santo Padre enviava uma importante ajuda econômica para as dioceses e prelazias que formam o Regional Norte 1 da CNBB. Em palavras do arcebispo de Manaus, o Papa Francisco, “nesse momento da segunda onda da pandemia, ele está se fazendo presente pela oração, mas também com doação para adquirirmos oxigênio e também podermos atender melhor aos nossos irmãos que vivem nas nossas ruas e os nossos migrantes”.

Dom Leonardo, em nome dos seus irmãos bispos, afirma que “nós queremos agradecer ao Santo Padre por esse gesto de solidariedade, eu diria um gesto de consolo”. Para o arcebispo da capital do Estado do Amazonas, “é uma maneira dele estar presente no meio de nós. E essa presença do Santo Padre nos ajuda, nos anima, para continuarmos no atendimento e na presença junto aos nossos irmãos que mais sofrem”.

O gesto do Papa Francisco é importante, mas também “os pequenos gestos, essas pequenas contribuições”, de tantas pessoas anônimas que estão ajudando nos últimos dias. Nessa solidariedade, em palavras de Dom Leonardo, “nós percebemos como nós formamos uma grande fraternidade, e como gostamos de nos ajudar e nos consolar através desses pequenos gestos”.

Segundo o arcebispo, “não podemos esquecer que não existe na Amazônia apenas Manaus, existem outras cidades”. Em referência a isso, ele afirma que “nós temos notícias recentes, vindas através dos irmãos bispos, que lá também as pessoas estão vindo a óbito por falta de oxigênio”. Nesta terça-feira, na cidade de Coari – AM, faleceram 7 pessoas por falta de oxigênio, uma situação que tem provocado “repúdio e indignação” na Igreja local, que emitia uma “Nota de pesar e de oração”, assinada por Dom Marcos Piatek, onde exigia responsabilidades diante do “descaso com a saúde pública”.

O arcebispo de Manaus lembra que “o drama é tão grande que nós temos levado pessoas do Amazonas para outros estados pela falta de UTI, pela falta de oxigênio”. Segundo ele, “a lista de pessoas na espera para ser internadas é grande, e também é grande a lista de pessoas para serem transportadas para outros estados”. A situação que está sendo vivida em Manaus, que “nós esperamos que esse momento possa passar”, em palavras de Dom Leonardo, deve provocar uma reflexão e que sejam tomadas as medidas cabíveis no restante do país, afirmando que “talvez seja bom que outras regiões do Brasil estejam preparadas para uma segunda onda”, afirmou.

 

Por Padre Luis Modino – Colaboração para o site da Arquidiocese de Manaus



Por: Ana Paula Gioia Lourenço

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *