Arquidiocese de Manaus

ARTIGO: A importância de responder sim a vida missionaria em nossas comunidades

Escrito por Pe. Alberto Rypel, pároco.

Não é por acaso que o Papa Francisco escreveu como sua primeira Exortação Apostólica, o anuncio do evangelho do mundo atual: A Alegria do Evangelho, convocando toda Igreja a transformar-se em uma Igreja em saída e colocar todas as comunidades em missão permanente”. Não é difícil perceber que as necessidades da missão no mundo de hoje são desafiadoras, por isso damos total importância para a espiritualidade missionária no meio de nós.

Neste sentido, ajuda-nos compreender a nossa missão, quando vemos Jesus que é enviado do Pai e que abraça um projeto com amor e dedicação, que faz de sua vida uma missão, construindo o Reino de Deus. Neste envio percebemos em vários momentos da sua vida, por exemplo: Na oração na sinagoga em Nazaré onde Ele diz: “O Espirito do Senhor está sobre mim ele me enviou e me consagrou”, em suas andanças de povoado a povoado, Cristo prova que é necessário ir ao encontro das pessoas, como também o encontro como uma samaritana na qual promete a “água viva” que sacia qualquer sede, cura os doentes, expulsa os maus espíritos, transforma o mundo fazendo a todos o bem.

O que se percebe em algumas comunidades, antes de tudo que é preciso resgatar a dimensão missionária pastoral. Como fazer isso? As próprias dicas encontramos na Sagrada Escritura. “Eu mesmo vou reunir o que sobrou das minhas ovelhas e não se preocupam com elas” (Jr, 23,3). Jesus deixa noventa e nove no campo para ir atrás da ovelha que se perdeu, até encontrá-la e com muita alegria a coloca nos ombros.

Importantes dicas nós encontramos nos seguintes documentos da Igreja como por exemplo: ” Ad gentes, Redemptoris missio, documento de Aparecida, Evangeli Gaudium ou também em várias diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja.

O documento de Aparecida diz que toda a pastoral tem que ser missionária e que suas marcas profundas, em primeiro lugar, existem para defender a vida, conseguir ajudar aos outros, descobrir os valores da dignidade da vida, tanto por meio das visitas nas casas, dando-se conhecer, fazendo também amizades, convidando os afastados a voltarem a participar da comunidade, como também nas caminhadas nas ruas, manifestando diante dos outros a nossa fé e refletindo sobre os valores do evangelho, tendo coragem de manifestar o que sentimos e pensamos, lutando em defesa da vida e contra qualquer tipo de violência, desejando melhorias na educação e reivindicando melhor atendimento na área da saúde, tudo em profunda comunhão com Jesus de Nazaré.

Em nossas comunidades, a espiritualidade missionária ajuda a quebrar tudo o que não dá fruto para a evangelização, em primeiro lugar, experimentar a igualdade e solidariedade, por meio destas atitudes conseguimos vencer as barreiras entre as pessoas, sabendo estar a serviço da vida, colocando-se no lugar do outro e descobrimos novos caminhos, tornando-nos mais criativos.

Pensando sobre pastoreio é que o próprio Espírito do Senhor caminha na frente e leva o seu rebanho às verdes pastagens. É o próprio Jesus de Nazaré, que abre a mente e o coração das pessoas para que caminhem com coragem e amor.

“Saiamos, saiamos para oferecer a vida de Jesus Cristo”. Eis o grande apelo do Papa Francisco na sua Exortação apostólica, ele deseja para que todos os cristãos católicos tomem com alegria esta nova proposta evangelizadora.

A Paróquia São José Operário Leste tomou estas palavras como prioridade em seu trabalho pastoral, tomando em Assembleia Paroquial como objetivo principal e escolhendo em 2015 como uma metodologia: “Santas Missões Populares”. As Santas Missões Populares tornaram-se um eixo de todas as pastorais, preparando toda a paróquia para que seja missionaria, por meio dos três belíssimos retiros abertos para todos, estudo da bíblia principalmente dos evangelhos, indo nas casas, visitando as pessoas em todas as ocasiões e realizando os grupos de reflexão, organizando os dias missionários, caminhadas nas ruas e encontros de oração nas praças, como também vivenciando grande semana missionaria, tudo isso num grande processo de mudança pastoral, que favorece a subjetividade e a consciência missionaria em diversos membros das comunidades.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *