Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Mensagem de Dom Sergio aos Ministros da Palavra

Mensagem do Arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Sergio Castriani a todos os Ministros da Palavra que participaram do Encontrão de Formação realizado na tarde deste último sábado, onde na ocasião, também foi realizado o lançamento oficial do livro Celebração da Palavra no Dia do Senhor, que contém o roteiro das celebrações para o Tempo Comum; Ciclo do Natal; Ciclo da Páscoa; Festas do Senhor, de Maria e dos Santos; Rito da Aspersão; Rito da Comunhão; Benção da refeição Fraterna e muito mais.

Matéria completa em breve no site, confira agora na íntegra a linda e emocionante mensagem que Dom Sergio deixou aos Ministros durante esse 1º encontro arquidiocesano que reuniu quase 800 participantes, onde o Arcebispo ressalta a importância de cada Ministro não somente junto à Igreja, mas principalmente em sua comunidade, principalmente nos interiores e nas regiões mais distantes das grandes metrópoles.

 

Ministros e ministras da Palavra, sede todos bem vindos a catedral metropolitana de Manaus.

Por que fazer este encontro na catedral?

A Catedral é a Igreja mãe de todas as Igrejas da arquidiocese. É a Igreja do bispo que aqui celebra todos os domingos a missa que é transmitida pela rádio Rio Mar para todo o território da nossa Arquidiocese.

Aqui são consagrados na quinta-feira santa os santos óleos, que são utilizados nos sacramentos do batismo, crisma, ordem e unção dos enfermos durante todo o ano. Nesta mesma celebração os presbíteros renovam os votos de sua ordenação e prometem obediência ao bispo. Por isso ela simboliza a unidade da Igreja de Jesus Cristo.

Nela também está a cátedra, a cadeira de onde o bispo faz a sua pregação levando aos fiéis a sã doutrina e lembrando as exigências de uma vida segundo o Evangelho. É também neste lugar que normalmente acontecem as ordenações. E é neste templo que veneramos a Imaculada Conceição, padroeira da Arquidiocese de Manaus.

Por isso, embora sejamos muitos, o que certamente causa um certo desconforto, nos reunimos neste lugar onde também o ministério da Palavra recebe a sua legitimidade. O ministro da Palavra deve estar em comunhão efetiva e afetiva com o bispo. O bispo necessita estar próximo dos seus ministros, ser amigo e companheiro dos mesmos, pois estes participam do seu ministério que é antes de tudo da Palavra.

O bispo é o pastor próprio de todas as ovelhas num determinado território. Como é impossível chegar a todos cerca-se dos presbíteros, diáconos e ministros para exercer sua missão. Na nossa Arquidiocese os ministros e ministras da Palavra são provisionados pelo bispo ou pelo vigário episcopal. Por isso quando atuam, atuam em nome do bispo e com sua autoridade. Autoridade que é serviço.

A palavra ministro vem de mini, pequeno, ultimo. O ministro é um servidor, Ministro da Palavra, servidor da Palavra. Da Palavra que se fez carne e habitou entre nós.

Servidor de Jesus, o Cristo Filho de Deus, transmissor da Boa Nova de Jesus, sabe que a palavra não é propriedade sua e que administrador das coisas divinas deverá prestar conta a quem lhe incumbiu da missão de proclamar a palavra de Deus aos irmãos e irmãs, isto é, de anunciar Jesus a comunidade cristã e ao mundo. E esta missão vocês receberam do próprio Jesus através da sua Igreja.

Um ministro da Palavra esta profundamente unido por uma vida de oração a Jesus a quem ele empresta a voz e de quem ele explica as palavras.

Leitura diária das Escrituras, meditação, estudo da palavra, são atividades que se esperam de um ministro. Participar ao menos uma vez por ano de um curso bíblico, participar de um círculo bíblico, ler bons artigos nas revistas católicas, preparar bem as homilias, lendo algum comentário antes são coisas que deviam ser normais na vida de um ministro. A responsabilidade de quem fala em nome da Igreja é grande.

Não só o que falamos é importante, mas também o como falamos. O som das nossas Igrejas tem que ser bom. Os leitores devem se preparar bem pois vão anunciar a Palavra de Deus. Há muitas formas de melhorar nossa leitura e dicção. Que tal organizarmos cursos de leitura e expressão para os leitores e ministros nas nossas comunidades? Aceitar a correção fraterna também é um caminho. Ninguém nasceu sabendo e os que sabem sempre tem muito o que aprender.

Muitos de vocês são chamados a celebrar o culto da Palavra, dirigindo a celebração da Palavra em substituição a Eucaristia. O número insuficiente de padres nas grandes cidades e as grandes distâncias no interior impedem que a maioria das nossas comunidades tenham a missa aos domingos.

Enquanto a Igreja não resolve isto, as comunidades se reúnem ao redor da Palavra de Deus e recordam o mistério pascal, pois Jesus está presente onde dois ou três estiverem reunidos em seu nome.

Estas celebrações dão vida as comunidades a ponto de podermos dizer que existe uma comunidade católica lá onde o povo se reúne aos domingos ou no sábado à noite para celebrar. Quando podem ter o pão consagrado na Eucaristia para ser distribuído a união com a Igreja é maior e todos podem comungar.

Nenhuma comunidade católica deveria passar o domingo sem se reunir para ouvir a Palavra de Deus e proclamar a sua fé no Cristo Ressuscitado. A Igreja católica tem uma forma de ler as escrituras sagradas que é a da liturgia. O ano litúrgico que começa no advento, prossegue no natal, depois tem um período de tempo comum que é seguido da quaresma e pascoa e depois mais um grande tempo comum que termina com a festa de Cristo Rei, tem leituras para cada domingo, com as orações próprias de cada tempo, tudo dividido num ciclo de três anos.

As comunidades do mundo inteiro seguem os mesmos textos, que estão nos lecionários e missais. Não somos nós que escolhemos as leituras proclamadas, mas a Igreja as escolheu para nós. Por isto os bispos da Amazônia Ocidental decidiram publicar um livro com as orações e indicações das leituras de todos os domingos para uso dos ministros e ministras da Palavra. Esperamos que ele ajude na preparação das celebrações e que seja um sinal de unidade entre nós.

Já temos uma tradição de celebrar a Palavra no Dia do Senhor. Vamos fazer com que estas celebrações sejam cada vez mais bem preparadas, bem celebradas, para atrair os fiéis e leva-los ao encontro do Senhor. Que nenhuma comunidade fique sem celebração dominical.

Também nos momentos importantes da vida, queremos a Igreja presente na vida do povo. Vocês podem ser esta presença. Não é possível ter sempre um sacerdote nos velórios, sepultamentos. Nestes momentos de dor o ministro da Palavra pode levar o consôlo da Igreja através da celebração da Palavra. Mas também nos momentos de alegria, nos noivados, formaturas, festas de aniversário, são todas ocasiões de anuncio e de ação de graças. Também nas festas dos padroeiros podem celebrar.

Vocês são a voz da Igreja lá onde a voz do sacerdote ministerial não chega. O bispo confia em vocês. Jesus confia em vocês. Sejamos evangelizadores no nosso ministério, que é serviço e serviço importante, por que anima todos os outros serviços. Tudo começa com a palavra. No princípio era a Palavra e a Palavra estava com Deus e a Palavra era Deus. E esta Palavra se fez carne e habitou entre nós.

 

 



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



One comment on “Mensagem de Dom Sergio aos Ministros da Palavra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *