Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Conselho Missionário Diocesano (COMIDI) inicia sua programação para o Mês Extraordinário Missionário com Formação e Oficinas Missionárias

Foi realizado nos dias 5 e 6 de outubro de 2019 no Seminário São José a Formação e Oficinas Missionária, com a participação de agentes das três Regiões Episcopais, Seminaristas, Coordenadores do COMIDI e participação de alguns membros. Na Formação Missionária com o tema: “Espiritualidade Missionária”, teve como assessora a Professora Graciete da Rocha Ayres. Fundamentou-se: Espiritualidade Missionária e amor ao mundo – É preciso afirmar que o caminho que a espiritualidade missionária é chamada a trilhar é o do amor ao mundo e não do distanciamento dele. É esta mística de amor ao mundo que gera e alimenta a missão. A espiritualidade missionária, precisa ser animada ao mesmo tempo, pelo amor a Deus e pelo amor ao mundo como duas realidades que se integram e entrelaçam profundamente; Espiritualidade como vida no Espirito – A espiritualidade missionária é, a vida vivida na docilidade ao Espírito que, de forma contínua, age no coração humano, transformando-o e conduzindo a pessoa à profissão de fé que, pela ação do mesmo Espírito, deve ser vivida em comunhão com os demais no empenho comunitário e orgânico para que o projeto de salvação de Deus alcance toda a humanidade. O mesmo Espírito que conduz à fé cria comunhão e envia em missão.

Após o intervalo do lanche, foi vez do Seminarista Matheus Marques assessorar com o Tema: “Conselhos Missionários”. Contextualizou: O Conselho Missionário Nacional (COMINA) é um organismo da Igreja católica no Brasil que tem como finalidade a animação, a formação, a organização e a cooperação missionária além-fronteiras das igrejas locais através de um serviço qualificado de assessoria, de coordenação e de projeto; Conselho Missionário Regional (COMIRE) em consonância com as finalidades, organização e articulação do Conselho Missionário Nacional (COMINA) tem como objetivo, organizar e realizar as tarefas de animação, formação, organização e cooperação missionária em todos os níveis da Igreja, com especial atenção à espiritualidade missionária; COMIPA Conselho Missionário Paroquial. A função do COMIPA é justamente o que o nome diz: avaliar o andamento da pastoral paroquial para verificar como as ações de cada grupo está sintonizada ou não com o Espírito Missionário. Afinal de contas, a Igreja existe para a Missão. Mas não é qualquer missão. É a Missão da Trindade. Deus Pai enviou seu Filho Jesus Cristo ao mundo para nos salvar de todas as mazelas que o pecado colocou no coração humano. Depois de cumprida a sua missão, Jesus enviou seus discípulos a pregar o Evangelho. Então concedeu-nos o Espírito Santo para inspirar as ações e indicar os caminhos da Evangelização. Toda a ação da Igreja, pois, é envolvida pelo espírito da Missão da Trindade Santíssima. Trabalhemos todos nós no intuito de sermos de verdade uma Igreja defensora da vida, servidora e missionário.

Os Seminaristas Matheus Marques e Alef Braga fizeram algumas orientações práticas para o dia seguinte, agradeceram conduziram a oração e a benção final desse primeiro dia. Na manhã de domingo (06) aconteceram as Oficinas Missionária com os temas: Batizados e Enviados e Missão Ad Gentes, foram conduzidas pelos assessores Pe. Braz Lourenço de Oliveira (PIME) e Esther Chacon (SME). Iniciou com café da manhã partilhado e oração.

Pe. Braz Lourenço, falou do tema “Batizados e Enviados”. Destacou, as palavras BATIZADOS E ENVIADOS, que acompanham a imagem, indicam os dois elementos característicos e inalienáveis de todo cristão: o batismo e o anúncio. Da cruz brota o batismo para a salvação do mundo para o qual somos enviados para anunciar o Evangelho de Jesus. Missão é “Amor Fontal de Deus”

O envio para a missão é uma chamada inerente ao Batismo e diz respeito a todos os batizados. Assim, a missão é envio para a salvação que realiza a conversão do enviado e do destinatário: A nossa vida é uma missão, em Cristo! Nós próprios somos missão porque somos amor de Deus comunicado, somos santidade de Deus criada a sua imagem. A missão é, portanto, santificação, nossa e do mundo inteiro, desde a criação. Reavivar a consciência batismal do Povo de Deus em relação a missão da Igreja, o Papa Francisco escolheu para o Mês Missionário Extraordinário o tema “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”.

Esther Chacon falou do tema “ Missão Ad Gentes” pontualizou: A alegria do Evangelho tem sua raiz na festa de Pentecostes, na qual celebramos a plenitude do mistério pascal com o dom do Espírito. Precisamos viver “um Novo Pentecostes” para resgatar a alegria do Evangelho; para um grande impulso missionário. Irradiar alegria “ad intra” e “ad extra”, até os confins do mundo. Missão: essência de Deus. A missão vem de Deus porque Deus é amor, um amor que não se contém, que transborda, que se comunica, que sai de si. O próprio Deus se auto-envia pela missão do Filho e do Espírito. Portanto, missão não é uma questão de expansão e implantação da Igreja nas terras não cristianizadas. Missão é a própria essência de Deus que tem uma Igreja vocacionada a ser testemunha de Cristo no mundo e na história, até os confins da terra e o final dos tempos. Nova visão missiológica e eclesiológica.

“A Igreja peregrina é por sua natureza missionária, visto que tem sua origem na missão do Filho e do Espírito Santo, segundo o desígnio do Pai” (AG 2).

A Igreja “é” ao ser enviada. Seu envio não é consequência: é essência.

A missão está acima de tudo.

Eis a mudança de paradigma.

Portanto, a Igreja é chamada a estar “em saída” como o seu Senhor que “sabe ir à frente, sabe tomar iniciativa sem medo, ir ao encontro, procurar os afastados e chegar às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos” (EG 24).

Dizer Igreja é dizer missão: “a Igreja nasce da missão e existe para a missão: existe para os outros e precisa ir a todos” (DGAE 2011, 76).

A Igreja existe para cooperar com a missão de Deus (cf. 1Cor 3,9; EG 12).

  1. Pastoral (bom pastor)
  2. Nova Evangelização (semeador)
  3. Missão ad gentes (pescador)

É importante lembrar que o compromisso com a missão ad gentes é dever das Igrejas particulares. Este é o tempo para a Igreja reencontrar o sentido de sua missão, libertar-se das amarras que a impedem de “sair”, de ser uma Igreja em saída. É com este objetivo que o Papa Francisco convoca a Igreja a “sair”, assumir a dinâmica do “êxodo”. A saída missionária exige purificação, atitude penitencial e uma profunda conversão – mudança de mentalidade. O conceito e a prática da missão mudam a perspectiva da saída. Essa mudança consiste em passar da visão de missão como “expansão” ou “conquista” à missão como “encontro”, presença, diálogo, mas também anúncio profético na lógica do testemunho e martírio. Para uma saída de qualidade vale o princípio da Sinodalidade e Comunhão. Caminhar juntos – participação na missão que é de todos não apenas de alguns. É isso que queremos com este mês extraordinário. Aprofundar e assumir esse “paradigma da saída” e nele reencontrar a mais genuína Vocação da Igreja de ser próxima e solidária das pessoas, ad gentes.

Seminarista Alef Braga fez a Análise de Conjuntura da Arquidiocese de Manaus em sua Ação Missionária. Sintetizou:

CAMINHOS ANTERIORES – Somos parte de um caminho histórico, eclesial e missionário. Princípios missionários na Amazônia: Encarnação e a Libertação;

CAMINHOS PRESENTES – Nos identificar no processo sinodal: X APA e o processo sinodal;

CAMINHOS FUTUROS – PROFECIA: Ecologia Integral – Cuidado da casa comum – igreja que ouve – dores e clamores – modelos de desenvolvimento – juventude –d populações nativas – território – direitos humanos – migração – grupos neopentecostais – mundo urbano… PRESENÇA: Nas comunidades – novos caminhos para evangelizar – Igreja em saída – fundo para Amazônia – ministérios – atores nativos – mulheres – Fundo para Amazônia…

DIÁLOGO: Povos indígenas – novos interlocutores – novo modo de ver a Amazônia – igreja que dialoga – contribuição dos povos – enculturação (liturgia) – comunicação – contribuição dos povos.

Foram dados alguns avisos e orientações para próxima programação que é Ação Missionária no Município do Iranduba, nos dias 12 e 13/10/2019. Encerrou-se com a oração e benção final pelo coordenador do COMIDI Pe.Evanir Rosas.

“Estou positivamente surpreso com o que vivemos nesse final de semana. O nosso Conselho Missionário (COMIDI) está empenhado em fazer com que a atenção à convocação do papa de vivenciar com intensidade o Mês Missionário Extraordinário, seja efetivada. Nos dois dias, cerca de 60 pessoas estiveram envolvidas nas atividades de Formação e Oficinas Missionárias. Contamos com a ajuda de muitas pessoas para fazer acontecer, agradeço em especial aos meus irmãos seminaristas que ficaram no Seminário e trabalharam intensamente para bem acolher. O Mês Missionário continua! Semana que vem temos nossa Ação Missionária Arquidiocesana, na Paróquia do Iranduba. E, esperamos festejar nossa missionariedade na Caminhada Missionária, dia 20. Igreja de Manaus, tua vida é mesmo Missão!”, finalizou o seminarista Matheus.

Colaboração:  Rosa Maria Santos

 

 



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *