Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Leitores – Artigo Arcebispo de Manaus – Em Tempo 21/7/2019

A Arquidiocese de Manaus conta com mais doze leitores instituídos em liturgias, nas comunidades dos candidatos ao diaconato permanente. É o próximo grupo de homens, todos casados que serão ordenados diáconos, passando assim a fazer parte do clero. Já chegam a cinquenta os diáconos permanentes na nossa Arquidiocese. Diaconia é serviço e os diáconos são sacramentalmente configurados ao Cristo servidor, sendo consagrados para o serviço do altar, da palavra e da caridade. Continuam a viver a sua vida familiar e profissional e, ao mesmo tempo, servem a comunidade. O primeiro rito é a admissão às ordens, quando a Igreja recebe os candidatos para iniciar a sua formação depois de um ano de propedêutico.

O primeiro ministério que aqueles que vão ser ordenados diáconos, padres e bispos recebem é o leitorado. Tudo começa com a palavra. Palavra que precisa ser lida, meditada, vivida e anunciada. Quem lê a Palavra na liturgia deve estar consciente que está proclamando a Palavra de Deus. Daí a necessidade de preparar-se para ler, usando técnicas apropriadas que facilitem aos ouvintes a compreensão do texto. O leitor instituído tem também a função de ajudar os outros leitores a se prepararem bem. A palavra anunciada já deve ter sido meditada, rezada e estudada por quem a anuncia. A leitura orante é o melhor método para isto. Mas é necessário viver e dar testemunho antes de anunciar. Eu não vou convencer ninguém se eu mesmo não tiver sido transformado pelo poder da Palavra.

O rito da instituição a este ministério é desconcertante. Está previsto um convite para que a assembleia acompanhe o celebrante na oração em que abençoa o candidato. Depois o bispo, ou um sacerdote delegado entrega as sagradas escrituras ao novo leitor que a apresenta ao povo. Ao invés da Bíblia completa prefiro entregar ao novo ministro o lecionário que é a versão litúrgica das escrituras sagradas. O lecionário apresenta as leituras numa ordem própria, segundo o ano litúrgico. É a forma mais católica de ler a bíblia.

O fato é que na revelação cristã tudo começa com o Verbo que se faz carne. No começo existia o Verbo e tudo foi feito por ele e para ele e tudo nele subsiste. Ninguém pode saber os caminhos que uma vocação pode tomar. Deus com certeza vai pedir sempre mais destes homens que já seguem seu Filho e é na Palavra que encontrarão força e coragem para perseverar mesmo quando tudo e todos nos disserem que não vale a pena. A Palavra modela a nossa vida. A oração da Igreja são os salmos. Rezados e cantados diariamente vão conformando a nossa vontade e os nossos desejos com os do Pai.

Enfim, se é ministro para o bem dos outros e aquilo que o celebrante diz ao entregar o livro exprime isto: Recebe este livro da Sagrada Escritura e transmite com fidelidade a Palavra de Deus, para que ela frutifique no coração das pessoas. É a Palavra de Deus que deve frutificar, nunca a nossa. Por isto, ninguém invente e nem manipule a Palavra e o único meio de ter certeza de que não estamos fazendo isto é sendo fiel a Igreja. É dela que recebemos a Palavra, nela a vivemos e com ela a transmitimos.

ARTIGO DE DOM SERGIO EDUARDO CASTRIANI – ARCEBISPO METROPOLITANO DE MANAUS
JORNAL: AMAZONAS EM TEMPO
Data de Publicação: 21.07.2019


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *