Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Procissão e missa campal reúne centenas de devotos de N. Sra. do Carmo no bairro da Raiz

A Igreja católica celebra no dia 16 de julho, a memória de Nossa Senhora do Carmo, um título da Virgem Maria que tem origem no século XII, quando um grupo de eremitas começou a se formar no Monte Carmelo, na Palestina, Terra Santa, iniciando um estilo de vida simples e pobre, ao lado da fonte de Elias, que se estendeu ao mundo todo. Em Manaus não podia ser diferente e, na noite desta terça-feira (16), centenas de fiéis participaram da tradicional procissão de Nossa Senhora do Carmo, percorrendo as principais ruas do bairro da raiz – zona sul, que há 54 anos tem a Santa como padroeira. Ao final da procissão, foi realizada a missa campal presidida pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de Manaus, Dom José Albuquerque.

A procissão partiu por volta das 18h da frente da igreja, localizada na Av. Costa e Silva, de onde os fiéis seguiram cantando e orando pela Av. Atlântida, Av. Tefé, Av. Marques da Silveira até retornarem à Av. Costa e Silva, onde foi realizada a missa campal na quadra de esportes da Escola Cunha Melo, concelebrada pelo pároco, Pe, Danival Lopes, auxiliados pelo diácono Edinaldo Machado. Durante a procissão, era visível notar uma mistura de emoção, fé e devoção. Muitos fiéis aproveitaram a oportunidade para pagar promessas, seja carregando a imagem da Santa, seja com tijolo na cabeça ou percorrendo todo o trajeto com os pés descalços, como forma de agradecimento por alguma graça obtida.

 

Esse ano a festa teve como tema “Sob o olhar da virgem do Carmo somos uma igreja em missão” e, a programação dos festejos começou com o novenário, realizado de 2 a 12 de julho, seguido do tríduo de 13 a 15 e o arraial realizado nos dias 13, 14 e 16 na quadra Huascar Angelim, localizada na Av. Costa e Silva, bem próximo da igreja. Já no dia da padroeira, a programação começou às 6h, com a alvorada e muitos fogos de artifício seguido do Ofício de Nossa Senhora; 11h Missa dos devotos; 16h30, Terço Mariano e só depois a procissão, missa e arraial com comidas típicas e com um sorteio de um super bingo com valiosos prêmios.

 

“Apesar de morar em Petrópolis, todos os anos eu participo da procissão e missa, pois frequento aqui e no Santuário São José. Sou muito devota de Nossa Senhora e todo ano é uma emoção nova e maior, fiquei muito emocionada e passei a celebração quase toda chorando”, comentou Clara Santos. Já para alguns, o final dos festejos não é apenas um momento de pedir, mas também de agradecer. “Esse ano vim pagar uma promessa pela conquista da minha casa e da minha saúde, por isso fiz todo o trajeto com o tijolo na cabeça”, disse Hilda Cruz, moradora do bairro.

 

Mensagem da homilia

“Nós não estamos aqui para adorar imagem, a imagem é um sinal e aqui diante de nós temos um lindo sinal e, em cada imagem mostra a ternura de Deus, revelando ser nosso Pai que nos ama e cuida de nós com um amor materno, pois nós não somos órfãos e como é bom a gente olhar para a imagem de Nossa Senhora e perceber que, aquele que ela traz nos seus braços, é a razão da nossa vida e nossa fé. Como não amar então uma mulher assim?”, comentou Dom José.

Na sequência, o bispo auxiliar aproveitou para ler algumas palavras em nome de Dom Sergio Castriani, Arcebispo de Manaus que quis deixar uma breve mensagem a todos os devotos. “Nesta festa de hoje, nossa alegria maior é saber que por causa de Maria, Jesus está em nosso meio e habita entre nós. Sua imagem, que nos lembra uma grande senhora, é sinal da presença vencedora de Cristo e da devoção começa no monte Carmelo e as grandes carmelitas na história da igreja, deixaram um legado de vida de oração que se assemelha a uma progressiva intimidade com Cristo. Só Deus basta para quem se dispõe a subir o monte que é Jesus”, disse o trecho da mensagem de Dom Sergio.



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *