Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Área Missionária N. Sra. Aparecida, em Cacau Pirera, celebra os 10 anos de ordenação sacerdotal de Pe. Cândido

Aproximadamente 400 pessoas estiveram reunidas na noite desta sexta-feira (5/6), na Área Missionária Nossa Senhora Aparecida (AMNSA), localizada na estrada Manuel Urbano, em Cacau Pirera, distrito do município de Iranduba, quando foi realizada a cerimônia em ação de graças pelos 10 anos de ordenação sacerdotal do pároco, Pe. José Cândido Cocaveli de Andrade, tendo como concelebrante o Arcebispo Metropolitano de Manaus e demais padres visitantes que vieram prestigiar esse momento tão importante na vida do amigo sacerdote, entre eles vale destacar o padre Basílio Pedrosa, da paróquia São Joaquim, no município de Alvarães, pertencente à prelazia de Tefé, que também foi ordenado há 10 anos por Dom Sergio, junto com Pe. Cândido.

Não há dúvida que foi uma noite de grandes homenagens, emoções e agradecimentos. Durante a homilia, padre Cândido, visivelmente emocionado, fez uma retrospectiva de toda a sua caminhada, desde o momento que resolveu largar a faculdade, o trabalho e até mesmo a família, para seguir o chamado, para seguir sua vocação e, fez questão de deixar claro que, um dos grandes responsáveis por ele está a serviço de Deus, é Dom Sergio, nosso querido arcebispo com o qual ele possui um grande carinho, admiração e respeito que vem se construindo ao longo de mais de 20 anos de amizade.

“A história se conta, mas a história também se faz e a nossa história de 10 anos de padre, a minha e a do Pe. Basílio está ligada ao nosso amigo e pastor Dom Sergio e, essa missa é apenas um pretexto para celebrar junto ao nosso amado bispo o qual lhe homenageamos e agradecemos por tamanha confiança, pois fazemos parte de um presbitério e nós temos essa imensa gratidão ao homem que dedicou seus 20 anos de bispo na proa do barco, com o olhar contemplativo e ao mesmo tempo muito atento, sempre em contato com as pessoas, abençoando e seguindo viagem. Não há dúvida que em nosso modo de ser padre, há muito de ser bispo, por isso nós te agradecemos por ser esse exemplo de pastor missionário”, disse Cândido.

O padre, que também agradeceu à sua família que esteve presente, pelo fato de entender tanto tempo longe de casa em missão. “Tenho muito a agradecer a minha família, porque souberam nesses 20 anos de ausência, por causa da missão, conviver com a minha falta, principalmente nos momentos mais delicados e difíceis que as nossas famílias passaram. Nunca me cobraram nada, nem mesmo quando eu larguei tudo para seguir minha caminhada”, comentou. “Me sinto feliz e orgulhasa, foi o que ele escolheu para a vida dele e eu não pude vir para a ordenação de padre, mas hoje estou aqui e fiz minha parte”, disse sorridente a mãe, dona Suely Cocaveli.

Antes do fim da celebração, alguns padres presentes fizeram questão de dizer algumas palavras, como por exemplo, o Pe. Marco Antônio, que lembrou de algumas peripécias desde o tempo que eram seminaristas e também o padre Toninho, que vem diretamente de Santos (SP), exclusivamente para essa solenidade. “Já conheço Cândido há 10 anos, estive na ordenação dele lá em Tefé e não podia faltar nessa maravilhosa festa porque ele merece”, disse Pe. Toinho.

Após a celebração, as quase 400 pessoas presentes puderam participar do jantar compartilhado, organizado pelos coordenadores das comunidades com todo carinho. “Estamos planejando esse jantar há dois meses, são muitas pessoas envolvidas de praticamente todas as 74 comunidades e tudo foi doado, comida, bebida, sobremesa, o bolo, o som (banda Ressoar), enfim, ele sabia apenas da celebração, mas não sabia que estávamos fazendo todo esse banquete”, comentou Andrea Lira, tesoureira da AMNSA e uma das integrantes da equipe de organização do jantar surpresa.

E não há dúvidas que foi um belo jantar, todos comeram, repetiram e ainda sobrou. Depois dos parabéns junto ao bolo, todos fizeram questão de dar um abraço e fazer uma foto com o querido pároco. Para Pe. Cândido, tal recepção só reflete o jeito carinhoso de ser do povo do interior. “Esse é um povo que celebra, mas também é um povo que se reúne para comer, pois a comida é a expressão de estar juntos e aqui podemos constatar esse amor por mim, que também é verdadeiro o que eu sinto por eles, pois como padre o maior presente que eu ganho é conhecer pessoas e histórias e aqui temos a presença maciça vinda das estradas, dos ribeirinhos e eu so tenho a agradecer”, finalizou Cândido.

 



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *