Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Irmãs Salesianas mantêm memória cultural de indígenas do Amazonas

Preservar a história e a cultura de diferentes etnias da Amazônia foi o objetivo da irmã Maddalena Mazzone (FMA) ao criar, em 1952, o Museu do Índio em Manaus, sendo esta uma das obras da Inspetoria Santa Teresinha, situada à avenida Duque de Caxias, no Centro da capital amazonense.

Tem um acervo com mais de três mil peças originais, distribuídas em seis salas, fruto das missões que as irmãs salesianas realizavam no Alto Rio Negro, em meio aos índios.

O acervo é constituído por adornos, utensílios, armas, artesanato, diversos instrumentos que contam sobre o modo de vida indígena, uma visão da vida de homens e de mulheres no ambiente das aldeias, a exemplo do “ritual fúnebre”, do “pega-moça” e da “zarabatana”, que mais despertam a curiosidade nos visitantes. Algumas delas são centenárias e foram doadas por arqueólogos, outras são originalmente feitos por indígenas das tribos do Alto Rio Negro, coletadas e levadas ao museu pelas irmãs em missão desde a década de 1950.

A atual diretora do museu é a Irmã Virgínia Danti, é italiana e está em missão no Brasil desde 1958, aos 90 anos de idade, cuida com zelo do local que rememora muito de sua missão junto aos indígenas.

Irmã Virginia conta que no museu também há um espaço com utensílios usados pelas irmãs na missão, em sua maioria instrumentos médicos para o cuidado da saúde dos indígenas, pois em muitos lugares onde não havia assistência à saúde, elas também tinham que atuar nesse campo.

O espaço recebe a visita de muitos alunos, pesquisadores e turistas, em sua maioria, asiáticos e europeus e se mostram encantados pela cultura indígena.

A visitação é feita juntamente com um guia que explica o acervo e conta tudo sobre as tribos indígenas do Alto Rio Negro. Está aberto de segunda a sexta, das 8h30 às 11h30 e das 14h às 16h30, também aos sábados das 8h30 às 11h30.

Ouça a matéria na íntegra:

 

Matéria de Ana Paula Gioia

Matéria gravada – Rafaella Moura 



Por: Rafaella Moura



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *