Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Reabertura da Capela da Santa Casa de Misericórdia tem atraído fiéis para as celebrações dominicais

Insalubridade, um prédio em ruínas, abandono, mas cheio de histórias de pessoas que passaram por procedimentos médicos neste lugar.

Fundada em 1853, a Santa Casa de misericórdia atendeu muitas mulheres que deram à luz no hospital.

Reconhecida em 12 de setembro de 1938 como entidade filantrópica, a Santa Casa foi declarada de utilidade pública federal, pelo Decreto-Lei 1.276 de junho de 1962. Seu prédio é considerado patrimônio importante, tombado como patrimônio histórico do Município de Manaus, por meio da Lei n. 4.811.

Em 2004 a Santa Casa de Misericórdia fechou as portas por falta de recursos, desde então tem sido espaço para usuários de drogas, furtos de objetos do local, até homicídios já foram registrados no prédio.

A fé reergueu a Capela da Santa Casa de Misericórdia. A iniciativa partiu da Paróquia de São Sebastião que fica na 10 de Julho, mesma rua onde se localiza o prédio da Santa Casa. Segundo o Pároco da Igreja de São Sebastião, Frei Paulo Xavier, desde o dia 23 de Setembro do ano passado são realizadas as celebrações dominicais que dão vida a capela.

Cadeiras e ventiladores utilizados na Santa Casa são doações de comunitários e são sempre guardados após as celebrações na casa de vizinhos, para evitar que sejam roubadas por invasores. Todo o material litúrgico como som, imagens e os paramentos da celebração, são trazidos por agentes da paróquia de São Sebastião.

Segundo o interventor da Santa Casa de Misericórdia, Tiago Queiroz a Santa Casa de Misericórdia deve ser restaurada pelo Município de Manaus, ele tem a obrigação legal e dever judicial de promover essas obras.

A Celebração Eucarística é realizada na Santa Casa todos os domingos ás 10 horas da manhã.

Você pode ter acesso a todos os dados relacionados a Santa Casa de Misericórdia por meio do site www.santacasamanaus.com.br.

Ouça a matéria na íntegra:

 

Rádio Rio Mar – Rafaella Moura 



Por: Rafaella Moura



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *