Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Mil pessoas vão às ruas do Viver Melhor 1 protestar no Grito dos Excluídos 2018

Mais de mil pessoas participaram nesta sexta-feira (7), em Manaus, da tradicional passeata do Grito dos Excluídos, no conjunto habitacional Viver Melhor 1º Etapa, bairro Santa Etelvina, Zona Norte da cidade. O lema da edição deste ano é “Desigualdade gera violência: Basta de Privilégios!”.

O protesto, que acontece em todo o país sempre no Dia da Independência do Brasil, tem como objetivo chamar atenção das autoridades e ainda cobrar igualdade, respeito e segurança, dando voz e vez àqueles que são marginalizados pela sociedade. O arcebispo metropolitano de Manaus, Dom Sérgio Eduardo Castriani, explicou que o propósito é valorizar a vida e anunciar a possibilidade de um mundo melhor, pedindo por direitos que garantam vida digna a todos.

“Estamos vivendo um fenômeno grave no Brasil. Ao invés do progresso, temos a exclusão e o Viver Melhor é um exemplo disso. Esses moradores precisam de atenção e melhorias”, ressalta o arcebispo. Ele comenta ainda sobre a corrupção existente no país. “Essas pessoas que roubam são inescrupulosas e precisamos dar um basta nisso. Então nesse momento é importante a participação de todos para mostrar que estamos”, afirmou Dom Sérgio.

“Para nós das pastorais e movimentos sociais esse é um momento importante de mobilização e viemos colocar em pauta todos aqueles gritos e defesa de direitos que nós já conquistamos, mas que estamos neste momento em crise de perdê-los. Com o número de pessoas envolvidas, acho que essa é uma semente lançada muito importante”, comentou o padre Orlando Gonçalves, vice-presidente da Cáritas Arquidioesana.

Ele acrescenta ainda sobre a necessidade de acabar com o privilégio, lema do protesto. “Nós queremos dar o basta ao privilégio e que o direito seja de todas e de todos aqueles que necessitam, sobretudo a minoria”, finaliza.

Neste ano, o local escolhido para o ato foi o conjunto habitacional Viver Melhor, onde apesar de ter sido construído pelo Estado, os moradores hoje lutam pela construção de posto de saúde, escola e acesso ao transporte público.

Texto: Karol Rocha

SITE: A CRITICA

Publicado em 07/09/2018



Por: Leomara Duarte



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *