Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Seminário Ano Nacional do laicato – Sujeito Eclesial em uma igreja em saída

O Conselho de leigos e leigas da Arquidiocese de Manaus promoveu neste sábado (25/08) o III Seminário Ano Nacional do Laicato, com o tema 30 Anos do Sínodo dos leigos que contou com a participação de 110 pessoas entre padres, religiosas e cristãos leigos e leigas. Na parte da manhã o Profº de Teologia pastoral Irineu Castro apresentou a Exortação Apostólica Christofidelis Laici, primeiro documento em que os bispos refletiram sobre o papel e a importância dos leigos no processo de evangelização da nossa igreja.

O sínodo aconteceu em 1987: “vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo a vinte anos do Concílio Vaticano II”.   A Exortação Apostólica Christifideles Laici (de 31/12/1988), é a resposta do Papa diante dos resultados dos trabalhos do Sínodo. O Papa João Paulo II reage aos problemas identificados e às soluções apresentadas com a Exortação Pós sinodal. É um documento rico que abrange o Concílio e a reação ao Concílio.  Tecnicamente, os religiosos que não pertencem às ordens sagradas também são leigos.

No entanto, a distinção entre leigos, de uma parte, e membros da sagrada ordem ou do estado religioso, de outra parte, é utilizada no Vaticano II para tratar, especificamente, dos “leigos”, como entendido hoje. A Christifideles Laici reconhece que havia uma concepção pré-conciliar negativa dos “leigos” e é objeto do Concílio propor uma visão positiva, explicou o Profº Irineu.

Nada no mundo escapa à missão dos fiéis leigos. Não se trata de reinventar o mundo, ou criar um mundo fantasioso de cristãos, mas de inserir-se responsavelmente no mundo, de atuar de forma autenticamente cristã no mundo, de não separar o Evangelho da realidade do mundo. A Igreja tem urgências para os leigos: a pessoa humana, a família, a política, a ordem social digna etc. A fervorosa oração de Jesus na última ceia ‘ut unum sint!’ deve tornar-se, todos os dias, para todos e cada um, um exigente programa de vida e de ação, a que não se pode renunciar (CL 64), comentou Irineu.

A tarde foi realizada uma roda de conversa musical motivada pelo cantor, compositor e artista da caminhada, Zé Vicente que através de sua música fez com que os participantes refletissem a partir de cada um de nós, no que diz respeito a nossa interação com outro e com o ambiente. Em seguida Ze Vicente pediu para que cada participante dissesse uma música e pelo qual motivo era marcante em sua vida. Muitas partilhas e experiências vividas foram contempladas em seu repertório, fazendo com que os presentes pudessem refletir no seu papel de leigo e leiga e através de sua vocação e atuação, como agente transformador da sociedade.

Zé Vicente motivou o grupo a fazer uma grande ciranda com a bandeira do Brasil no centro e pediu que cada um e uma dissesse uma palavra motivadora para com a bandeira que ali representava nosso país. O que queremos dizer ao Brasil diante de tantas injustiças, de tantas violências, de tantas mortes e de tantas desconstruções de direitos que estamos passando? O seminário terminou com todos se confraternizando desejando a paz uns aos outros.

Por Patrícia Cabral, presidente do conselho de leigas e leigos

Fotos: arquivo pessoal dos participantes


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *