Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Vocação e Missão é tema de encontrão arquidiocesano dos catequistas de Crisma

Cerca de 380 pessoas participaram na manhã deste domingo (4/3), do encontrão que reuniu na quadra coberta do Colégio Preciosíssimo Sangue (CPPS), catequistas e coordenadores de Crisma de vários setores da Arquidiocese de Manaus. O evento foi organizado pelo Serviço de Animação Vocacional (SAV) junto com a Catequese Arquidiocesana à Serviço (CAS), tendo como tema “Vocação e Missão do Catequista na Arquidiocese”, contando com a presença do Bispo Auxiliar, Dom José Albuquerque.

De acordo com Rosália Gaspar, coordenadora da CAS, o objetivo do encontrão é proporcionar uma troca de experiências entre os catequistas que tem a missão de catequisar jovens, adolescentes, adultos. “Hoje é um dia muito especial para nossa arquidiocese, onde pretendemos despertar o serviço da vocação e da missão num mundo que apresenta vários caminhos e refletir em cima do documento 107, que está nos orientando a partir para uma nova evangelização e um novo ardor missionário”, disse Rosália.

A programação do encontro teve momentos de animação, oração e formação, com leigos e religiosos, finalizando com a participação de Dom José. “Apesar do calor, foi muito proveitoso. Percebi muitas anotações e creio que os catequistas vão levar esse aprendizado para suas áreas, setores e paróquias. Vão sair daqui com um novo ardor, especialmente numa catequese onde os jovens estão em busca sempre do aqui e agora. A presença do nosso pastor auxiliar é um ânimo para a nossa missão e foi fundamental contar com a sua motivação nesse serviço da vocação dos leigos e leigas, especialmente do catequista”, comentou a coordenadora.

“Nos sentimos muitos felizes por saber que vocês estão dando esse testemunho e esse incentivo que ajuda a construir o Reino de Deus e percebemos no rosto dos jovens, como eles são gratos pela dedicação de vocês e nós sabemos o quanto é importante estamos pertos dos jovens, para que eles possam encontrar outros jovens e serem Sal da Terra e Luz do Mundo. Vocês, catequistas de Crisma, são como evangelho vivo e podem ter certeza, os catequisandos nunca vão esquecer o carinho, o apoio e o encorajamento que receberam de vocês, que marca a vida dos jovens e mostra que é um trabalho em vão e vale muito a pena”, comentou Dom José.

O bispo auxiliar ainda foi mais além e enfatizou sobre o papel dos catequistas de ajudar os crismados a serem cristãos autênticos, verdadeiros e honestos. “Ser crismado é ser enviado em missão para atuar no mundo, por isso não vamos ser prepotentes em achar que todos os crismandos que forem crismados vão atuar na própria paróquia, nosso papel é ajudar a serem cidadãos íntegros e honestos, que possam mudar o mundo, por isso é importante não reduzir a tarefa de vocês a serem simplesmente um professor que transmite conhecimento, fujam desse esquema de sala de aula e tarefa para casa, isso é muito chato e afasta os jovens. Desafiem eles, façam debates, visitas, ações sociais e com isso, levem os jovens a contribuírem de alguma forma, não só nas pastorais”, disse o bispo.

Opinião dos catequistas

Rosalina Cardoso, catequista de Careiro da Várzea, setor Rio Solimões, o encontro serviu para tirar todas as dúvidas e como troca de experiência de outras realidades. “Chegamos na formação com a sacola vazia e voltamos para casa, com a sacola transbordando de conhecimento em virtude de trocas de experiência e das formações que fazem a gente voltar como pessoas diferentes e responsáveis por ser agentes multiplicadoras das 85 comunidades do município”, comentou a catequista.

Já para Antônio Vasques, catequista da paróquia Cristo Redentor, setor Alvorada, o encontro foi uma iniciativa muito importante para os catequistas. “A nossa missão dentro da arquidiocese, nas pastorais e dentro da própria comunidade, é dar esse testemunho de Jesus Cristo com bastante veemência e transparência, para os jovens e para o seu meio familiar. Para isso, o catequista precisa ser autêntico, principalmente nessa sociedade em que existem muitos conflitos envolvendo a juventude”, comentou o catequista que já tem mais de 20 anos de caminhada.

 

 



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *