Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Solenidade de abertura da CF – 2018 reúne mais de mil pessoas na Praça da Matriz

Cerca de mil pessoas participaram na manhã desta quarta-feira (14/02), da solenidade de abertura da Campanha da Fraternidade (CF) 2018, que tem por tema “Fraternidade e a superação da violência” e traz como lema “Vós sois todos irmãos” (Mt 23, 8). O evento, realizado pela Arquidiocese de Manaus, teve início por volta das 9h Praça XV de Novembro, mais conhecida como “Praça da Matriz”, contando com a presença do Arcebispo Metropolitano de Manaus. Dom Sergio Castriani, além da participação de leigos e religiosos, pertencentes aos grupos, movimentos, ministérios, pastorais e forças vivas de todos os setores da arquidiocese.

A CF existe desde 1964 e tem sido uma atividade ampla de evangelização, desenvolvida na Quaresma, para ajudar os cristãos e pessoas de boa vontade a viverem a fraternidade em compromissos concretos, provocando, ao mesmo tempo, a renovação da vida da Igreja e a transformação da sociedade, a partir de problemas específicos, tratados à luz do Projeto de Deus. Como por exemplo o tema tratado esse ano, com ele a Igreja proclama, com a convicção da sua fé em Cristo e com a consciência de sua missão, que a violência é um mal, que a violência é inaceitável como solução para os problemas, que a violência não é digna do homem, acaba com a paz e destrói a vida e a liberdade dos seres humanos. 

Quanto ao lema “Vós sois todos irmãos” busca resgatar o sentido da Fraternidade dos povos somos todos irmãos e irmãs filhos e filhas de um mesmo Pai por isso iluminados pelo Evangelho do Reino somos chamados a não violência. “Enquanto irmãos nós não fazemos nada de ruim ao outro, então a fraternidade vai estar novamente reinando entre todos e, principalmente, no seio da sociedade”, explicou Patrícia Cabral, Presidente do Conselho de Leigos e leigas da Arquidiocese de Manaus e uma das coordenadoras do evento.

Segundo padre Geraldo Bendaham, Coordenador de Pastoral Arquidiocesano e coordenador geral do evento, o local também foi estrategicamente escolhido, por ser um cartão postal da cidade, mas que infelizmente também é um local que ocorre muitos atos violentos. “Aqui é um local simbólico da nossa cidade, local de encontros, mas lamentavelmente, também é um lugar onde ocorre roubos, mortes e muitas outras formas de violência que afeta a todos nós. Em contrapartida, aqui na praça temos a Igreja que é sinal de vida, de esperança e de superação de toda a violência que é o tema dessa campanha.

A Programação de abertura

O povo começou a chegar cedo na praça da matriz, mas especificamente em frente ao relógio da praça, onde o palco foi montado e de lá toda a equipe de animação e coordenação comandava o evento. Todos que chegavam eram recebidos com sorrisos pela equipe de acolhida, que também distribuiu a todos os participantes, uma rosa branca feita de papel. A programação teve início com a peça teatral “Trilha da Violência”, que misturava encenação e música, realizada pelas meninas da Casa Mamãe Margarida, que fizeram uma belíssima apresentação que surpreendeu e emocionou a todos, demonstrando que, com amor e fé em Deus, é possível superar a violência. Após esse momento, Dom Sergio saudou ao público e deu início a celebração.

A entrada da cruz, conduzida pelos agentes do movimento terço dos homens, foi um dos momentos mais marcantes e emocionantes da abertura. Símbolo do amor e da paz, a Cruz tomou seu lugar de destaque durante a celebração, na qual foram refletidas e destacados alguns tipos de violência que ocorrem no Brasil e no mundo, enquanto isso, os participantes se conduziram até os pés da cruz, onde colocaram calmamente a rosa branca que cada um trazia nas mãos, como forma de pedir perdão a Deus pelas violências praticadas em nossa cidade. Após esse momento, a celebração continuou com a proclamação do evangelho e a homilia de Dom Sergio, destacando o combate à violência.

“Jesus veio para superar toda a violência, mesmo prestes a ser crucificado, recusou usar violência contra violência, que está presente desde o início da história da humanidade, quando um irmão matou outro irmão. Sermos irmãos uns dos outros é a nossa meta para a salvação, não há pai… não há mestre… todos somos irmãos, porque todos somos iguais diante de Deus e ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém. Essa Campanha não é sobre a violência, é sobre a superação da violência e nós somos a paz. Uma boa Campanha a todos e que Deus possa mudar a linguagem violenta que as vezes existe em nosso coração”, disse o Arcebispo durante a homilia. Ao fim da celebração, todos foram convidados a pegar uma das flores que estavam no pé da cruz e entregar a algum conhecido ou desconhecido, como sinal da paz.

Para Ir. Maria Paula, que atua na Área Missionária Sagrada Família de Nazaré, a abertura foi emocionante e muito bem preparada em cima do tema que esta sendo tratado. “Toda a organização do evento está de parabéns, as meninas do teatro souberam expressar bem e realidade forte que nos cerca e o momento da Cruz também foi bem vivido, e isso nos leva a viver uma quaresma já voltada para uma grande ressurreição. Isso é bom e nos uni como cristãos nessa época que o Brasil esta vivendo e poder intensificar cada vez mais as nossas preces com uma esperança muito grande que chegará um dia que todos nós estaremos unidos vivendo em paz como irmãos”, disse a irmã missionária que chegou do município de Coari, há pouco mais de duas semanas.

Um pouco mais sobre a Campanha da Fraternidade

Trata-se de uma campanha que envolve a comunidade católica com diversas ações pastorais em todas as regiões do Brasil, sempre abordando temas atuais, que a cada ano propõe uma transformação social e comunitária, seja ela em desafios sociais, econômicos, culturais e até mesmo religiosos, onde toda a população envolvida na Campanha da Fraternidade é convidada a ver, julgar e agir. A Campanha da Fraternidade sempre começa na quarta-feira de cinzas e acontece durante o ano todo, não termina depois da Páscoa como muitos pensam.  Durante o período de realização ocorrem diversas ações pastorais, e o tema escolhido é trabalhado, debatido e refletido com a comunidade, com uso de ferramentas como cartazes, desenhos, músicas, texto-base, textos voltados para cada pastoral, vídeos e muito mais.

Esse ano, a Campanha, que é promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio das arquidioceses, dioceses e prelazias espalhadas por todo o país, vem convidar todos os homens e mulheres de boa vontade para percorrer o caminho da superação da violência crescente em todos os níveis. Violência de morte, de abuso de poder, de descarte da pessoa, de quebra das relações de confiança, de desagregação da família, de ganância e corrupção, de marginalização da infância e da adolescência. “Esperamos que a cultura de paz, o mundo de paz, possa vencer essas trevas da violência do coração humano, mas também das estruturas sociais, que geram pobreza, miséria, corrupção e outras formas de violência que muito tem afetado a todos nós”, comentou padre Geraldo.

 



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *