Comunidade Sagrado Coração de Jesus, celebra o dia do padroeiro com procissão e missa

A Comunidade Sagrado Coração de Jesus, uma das 11 comunidades que pertencente à Área Missionária Família de Nazaré, situada na Praça do Conjunto Cidadão XII – Nova Cidade, celebrou o dia do padroeiro (23/06) com procissão e missão presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Sergio Castriani e concelebrada pelo padre Ricardo Castro, pároco da área missionária que pertence ao setor Pe. Pedro Vignola.

A procissão iniciou-se as 18h30 saindo do conjunto residencial Viver Melhor 3, com os fiéis cantando e orando pelas ruas do bairro até chegarem no local onde foi realizada a celebração. Durante o trajeto, foram realizadas três breves paradas, onde foi falado sobre a Campanha da Fraternidade (CF), sobre o Sagrado Coração de Jesus e a terceira parada foi focando Maria e comentando sobre o Ano Mariano que estamos vivendo.

Apesar de simples, a comunidade é muito acolhedora fazendo uma celebração bem participativa, contando com a presença das crianças não só na procissão, como durante as leituras realizadas. “Normalmente as comunidades aqui tem um dia de celebração e depois tem a festa social, com arraial e eventos culturais que evolvem todos, mas hoje estamos fazendo só esse momento de oração, começando desde a procissão e finalizando com a celebração”, disse o pároco.

Em sua homilia, Dom Sergio falou sobre o amor de Deus sobre cada um de nós e sobre o fardo que cada um de nós carregamos. “Essa comunidade é sinal do amor de Deus e, nessa festa de hoje, lembramos que Deus tem um coração cheio de amor, piedade e misericórdia. Deus é amor, e o amor não tem explicação, amor é liberdade, é mistério, é dar a vida e se comprometer com o outro. E e só quem ama pode conhecer a Deus, que amou tanto o mundo ao ponto de dar seu filho único. Nossa vida as vezes é pesada, mas quando somos de Deus se torna leve, mesmo com todas as dificuldades”, comentou.

Segundo a Arsênia Gomes, a ideia da fundação da comunidade surgiu durante o Conselho Missionário Diocesano (COMIDI) em meados do ano 2mil, quando o padre Guido sugeriu fazer uma visita em um local que não tivesse nada ainda. “Após acolher a ideia do padre, a irmã Elsa, dona Francisca Barros e eu fizemos uma visita a esse conjunto e algumas pessoas toparam o desafio e, no dia 24 de março de 2013, um domingo de ramos, nós tivemos a nossa primeira missa celebrada na casa de uma comunitária desde lá ficamos celebrando de casa em casa, até conseguir um espaço aqui na praça para construir nosso templo”, explicou.

Gostou? Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram

Comentários