Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Semana do Discipulado Sócio Ambiental aborda a dimensão mariana nas culturas amazônicas

A Paróquia de São Raimundo, com a articulação do Comitê da REPAM Regional Norte 1, composto pela Rede Um grito pela vida, Repam Juventudes, CNBB regional norte 1, Cebs, Caritas Regional, Pastoral do menor, CRB Regional, Jesuítas, Capuchinhos e Itepes, está realizando entre os dias 5 a 9 de junho, salão paroquial, a Semana do Discipulado Sócio Ambiental, com o objetivo de fazer o estudo e a vivencia da Encíclica Laudato Sí.

Nesta quarta-feira (07/06), foi realizado a terceira noite da Semana, com o tema: Maria na Laudato Si’ e nas culturas amazônicas. Tendo como formador Frei Paulo Xavier e a presença da arte musical Tikuna, com os artistas Djuene e Diego Janatã. “Na nossa formação hoje estamos priorizando a dimensão mariana, dentro do ano mariano e Maria acolhe a vida, e a Amazônia é a maior fonte de vida, por isso que Maria e Amazônia tem essa forte ligação”, disse João Gutemberg, um dos coordenadores da formação.

De acordo com Ir. Rose Bertoldo, da congregação das Irmãs Imaculado Coração de Maria (IMC), durante a semana será abordado vários temas abordando a sociedade, o ambiente, o planeta Terra que serão divididos em atividades nas comunidades e nos encontros realizados na paróquia. “O estudo da Encíclica Laudato Sí está sendo trabalhado em cada comunidade, relatando suas realidades e experiências que dão vida à comunidade e nos encontros são aprofundados os temas referentes ao cuidado da natureza juntos com as lideranças comunitárias” disse Ir. Rose.

Frei Paulo, muito sorridente, não escondia a alegria de poder participar da Semana, dando sua contribuição ao falar de um tema que envolve o papel de Maria da Amazônia, que cuida da natureza e tem muito a nos ensinar. “O Papa Francisco chama Maria de rainha de toda a criação, que com a sua ternura, sua generosidade nos ensina a trilhar o caminho de Jesus. Nesse discipulado nós vamos aprendendo a lidar com nossa Amazônia, com nossos rios, com a floresta, com a água, e como é possível traduzir esses cuidados na fraternidade, pois nós somos terra e temos que saber ter essa convivência com a criação e com a mãe Terra”, comentou o Frei.

Apresentação musical de arrepiar

Sem dúvidas um dos momentos mais marcantes foi durante a apresentação musical realizada pela cantora e compositora indígena Djuena Tikuna acompanhada por Diego Janatã, marido e músico percussionista. Djuena é uma artista engajada nos movimentos que lutam pelos direitos indígenas e, no decorrer da formação, interpretou três canções cantadas na língua Tikuna.

“As músicas falam sobre o meio ambiente e de tudo o que o povo indígena vem enfrentando com desmatamento, com a luta pela demarcação da terra, com a poluição dos rios e, ao mesmo tempo fala da união com todos os povos para preservar o que temos, porque eu uso as minhas músicas como uma voz para divulgar tudo que está acontecendo com nós indígenas”, disse Djuene.

 



Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
wpDiscuz