Arquidiocese de Manaus
Arquidiocese de Manaus

Agentes da Pastoral do Dízimo da Arquidiocese participam de formação sobre o documento 106 da CNBB

Mais de 500 agentes da Pastoral do Dízimo das paróquias e áreas missionárias pertencentes aos 12 setores da Arquidiocese de Manaus participaram do encontro formativo arquidiocesano realizado na manhã do dia 25 de setembro, no auditório do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, localizado à rua Rua Silva Ramos, 833 – Centro. Na ocasião, o padre redentorista Amarildo Luciano apresentou o documento n.106, intitulado “O Dízimo na Comunidade de Fé – Orientações e Propostas”, publicação que dá continuidade às indicações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a respeito do dízimo desde a década de 1950.

O texto deste documento foi aprovado na última reunião ordinária do Conselho Permanente da CNBB, após três anos de estudo e contribuições e deve contribuir no desenvolvimento da pastoral em todas as comunidades católicas do Brasil. Além de apresentar o dízimo na perspectiva da evangelização, o subsídio também segue alguns princípios norteadores, como a indicação de elementos bíblicos e teológicos para a compreensão do dízimo; o esclarecimento de conceitos e termos; o oferecimento de orientações gerais a respeito da Pastoral do Dízimo. Está estruturado em duas partes, na primeira delas, o Documento trata da compreensão do dízimo, a partir do conceito e finalidades, e a segunda parte oferece orientações e propostas para a Pastoral do Dízimo.

Para Cely Mendes, da coordenação arquidiocesana da Pastoral do Dízimo, é uma alegria poder fazer chegar a todas as comunidades o dízimo, que significa partilha, amor e conversão, pois quem dissemina o dízimo e o devolve em gratidão à Deus é um verdadeiro evangelizador de Cristo, e esse é o principal motivo de realizar este evento anualmente. “Esse encontro é de motivação dos agentes para o serviço na pastoral e a apresentação do documento 106 da CNBB, que deve ser o livro de cabeceira para os agentes, pois dá as diretrizes necessárias da pastoral. O número de participantes superou ao que esperávamos, ficando o espaço pequeno para tanta gente. Isso é bom pois estamos alcançando mais agentes”, afirmou Cely.

O coordenador de pastoral da Arquidiocese, pe. Geraldo Bendaham, ao acolher os participantes, agradeceu a Deus pelo esforços dos agentes do dízimo em conscientizar os membros das suas comunidades para que sejam generosos e façam o exercício da partilha, levantando recursos para que seja possível realizar as missões de evangelizador e construir o reino de Deus.

Dom José, bispo auxiliar de Manaus, em nome do arcebispo, também expressou alegria pela presença dos agentes neste encontro de formação e agradeceu a todos pelo trabalho, dedicação e testemunho de fé que dão. Agradeceu a disponibilidade de participarem desta partilha do documento 106 realizada pelo padre Amarildo, com os subsídios que ajudam a entender o que é a pastoral e sua importância.

“Mais do que se preocupar com as questões administrativas e com as contas a pagar, não podemos esquecer que o dízimo antes de tudo é para fazer o bem. Que esta pastoral nos ajude a sermos uma igreja mais solidária, para que onde o dízimo esteja bem estruturado, tenha o seu olhar atento para os mais pobres e para as missões na periferia e no interior, pois há muita gente fazendo o bem precisando de um apoio financeiro. Há 30 anos a Igreja na Amazônia foi mantida pelo dízimo de cristãos dos Estados Unidos, da Alemanha, de outros países ajudando na construção de igrejas e no sustento dos missionários. Hoje precisamos nos manter, nos autossustentar com o dízimo, com nossos próprios recursos manter os padres e as comunidades religiosas que tem feito um bonito trabalho nas periferias. Dessa forma ajudamos as missões evangelizadoras em nossa Arquidiocese. É um trabalho muito sério”, destacou Dom José.

.
“Espero que este documento seja bem divulgado e aceito. Nos ajudem a recuperar o verdadeiro sentido do dízimo, sabendo que devemos fazer isso com amor, sem esperar recompensa, elogio ou trofeu. Ter na consciência que, pela partilha e solidariedade, estamos construindo a nossa igreja e melhorar o trabalho dela. Deus os abençoe abundantemente pelo trabalho de amor e doação de vocês. Nossa missão agora é voltar para nossas comunidades e ajudar outros a se comprometerem com as missões em nossa região”, concluiu Dom José.

 



Por: Ana Paula Gioia Lourenço

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus



Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
wpDiscuz